"Por isso, digo-vos: não tenhais medo de construir a vossa vida na Igreja e com a Igreja! Sede orgulhosos do amor a Pedro e à Igreja que lhe foi confiada. Não vos deixeis enganar por aqueles que desejam opor Cristo à Igreja! Só existe um rochedo sobre o qual vale a pena construir a própria casa. Esta rocha é Cristo. Só há uma pedra sobre a qual vale a pena fundamentar tudo. Esta pedra é aquele a quem Cristo disse: 'Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja' (Mt 16, 18)".

Papa Bento XVI.
Discurso durante o encontro com os jovens no parque de Błonia. Cracóvia, 27 de Maio de 2006.

Visite nosso canal no YouTube!

Visite nosso canal no YouTube!
Clique na imagem

sábado, 12 de setembro de 2009

Apenas no diálogo com Deus nos tornamos bons servos, diz Papa


O Papa Bento XVI deixou nesta manhã de sábado, 12, a cidade de Castel Gandolfo para presidir a Santa Missa, na Basílica de São Pedro, na qual ordenou cinco novos bispos italianos: Dom Gabrielle Giordano Caccia, Dom Franco Coppola, Dom Pietro Parolin, Dom Raffaele Martinelli e Dom Giorgio Corbellini, que trabalharam na Secretaria de Estado, na Congregação para a Doutrina da Fé e no Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano.

A homilia foi a ocasião para Bento XVI refletir sobre o sacramento da Ordem. O Pontífice recordou que Jesus reuniu todos os vários aspectos de seu sacerdócio em uma única frase: "O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar sua vida em resgate de muitos" (Mc 10, 45).

"Servir e, com isso, doar-se a si mesmo, ser não para si, mas para os outros, da parte de Deus e em vista de Deus: isto é o núcleo mais profundo da missão de Jesus Cristo e, junto, a verdadeira essência do seu Sacerdócio."

Cristo fez do termo servo um título de honra. Ele que é o verdadeiro patrão veio ao mundo como servo. Seu sacerdócio não é domínio, mas serviço.

Em Jerusalém, na última semana de sua vida, Jesus destacou as três características do servir, sendo a primeira a fidelidade. A fidelidade é altruísmo e, desse modo, é libertadora para o próprio ministro e para aqueles que são confiados a ele. A fidelidade não é estéril ou estática, é criativa. Fidelidade não é medo, mas é inspirada pelo amor e por seu dinamismo.

A segunda característica que Jesus pede ao servo é a prudência. Prudência, esclareceu o Papa, é diferente da astúcia.

Prudência, segundo a tradição filosófica grega, é a primeira das virtudes cardeais, indica a primazia da verdade, torna-se critério do nosso agir. Prudência significa colocar-se em busca da verdade e agir segundo ela. Assim, a primeira virtude cardeal do sacerdote consiste em deixar-se plasmar pela verdade que Cristo nos mostra.

A terceira característica sobre a qual Jesus fala nas parábolas do servo é a bondade. "Bom no sentido pleno é somente Deus. Ele é o Bem, o Bom por excelência, a Bondade em pessoa. Em uma criatura, como no homem, o ser bom se baseia, portanto, necessariamente sobre uma profunda orientação interior em direção a Deus. A bondade pressupõe, sobretudo, uma viva comunhão com Deus. Somente se a nossa vida se desenvolve no diálogo com Ele, poderemos nos tornar verdadeiramente servos bons", disse o Papa.

Por fim, Bento XVI recordou que no calendário da Igreja hoje se recorda o Nome de Maria, que, na tradição ocidental, foi traduzido como "Estrela do Mar":

"Quantas vezes a história na qual vivemos se parece com um mar escuro que atinge com ondas ameaçadoras o barco da nossa vida. Muitas vezes, a noite parece impenetrável. Muitas vezes, tem-se a impressão de que somente o mal tem poder. Muitas vezes, percebemos somente de longe a grande luz, Jesus Cristo, que venceu a morte e o mal. Mas então vemos muito próxima a luz que se acendeu, quando Maria disse: 'Eis a serva do Senhor'. Ele nos deu a sua Mãe como nossa Mãe, a fim de que aprendamos com Ela a pronunciar o 'sim' que nos torna bons."

Fonte: Canção Nova e Rádio Vaticano.

Nenhum comentário:

Página no facebook

Página no facebook
Curta nossa página no facebook, clique na imagem acima!