"Por isso, digo-vos: não tenhais medo de construir a vossa vida na Igreja e com a Igreja! Sede orgulhosos do amor a Pedro e à Igreja que lhe foi confiada. Não vos deixeis enganar por aqueles que desejam opor Cristo à Igreja! Só existe um rochedo sobre o qual vale a pena construir a própria casa. Esta rocha é Cristo. Só há uma pedra sobre a qual vale a pena fundamentar tudo. Esta pedra é aquele a quem Cristo disse: 'Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja' (Mt 16, 18)".

Papa Bento XVI.
Discurso durante o encontro com os jovens no parque de Błonia. Cracóvia, 27 de Maio de 2006.

Visite nosso canal no YouTube!

Visite nosso canal no YouTube!
Clique na imagem

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Primeiro CD com voz de Bento XVI será lançado em novembro

Será lançado no próximo dia 29 de novembro, o CD "Alma Mater - Music from the Vatican" (Música do Vaticano). O álbum traz, pela primeira vez, a voz do Papa Bento XVI em cantos e orações acompanhado pelo Coro da Academia Filarmônica Romana e pela Orquestra Filarmônica Real de Londres.

São oito trechos originais de música sacra moderna, mesclados com orações, ladainhas e cantos marianos, com a voz do Papa em latim, italiano, francês, alemão e português.

As músicas têm como inspiração os cantos gregorianos, com suas profundas raízes históricas, e foram escolhidas na intenção de produzir um CD atrativo a todos. Elas foram selecionadas por uma comissão de três compositores: Simon Boswell, Stefano Mainetti e Nour Eddine, respectivamente ateu, católico e muçulmano.

Parte do dinheiro arrecadado com a venda dos CDs será destinado para a educação musical de crianças pobres dos cinco continentes. A produção é uma iniciativa da Geffen/Universal, dos Estados Unidos, e a Multimedia, etiqueta dos Paulinos.

No ano de 1999, o Papa João Paulo II participou de uma iniciativa semelhante. A primeira tiragem do CD 'Abba Pater', foi de um milhão de cópias e esgotou-se em poucos dias.

Fonte: Canção Nova e Rádio Vaticano

Vestibular na PUC


Nesse sábado e domingo estarei fazendo o vestibular da PUC - PR

para o curso de Filosofia,

rezem por mim.

Obrigado.
Cesar da Rocha Pires

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Cardeal de Turim confirma visita do Papa a Santo Sudário

Em 2 de maio de 2010, o Papa Bento XVI vai visitar Turim, na Itália, por ocasião da exposição do Santo Sudário, que se realizará de 10 de abril a 23 de maio do próximo ano. Foi o anunciado pelo Arcebispo de Turim, na Itália, Cardeal Severino Poletto, que foi recebido pelo Papa, nesta segunda-feria, 26.

O cardeal adiantou também em uma carta algumas das atividades do Santo Padre em Turim. No dia da visita, o Papa irá à Catedral de Turim para pernanecer em momentos de oração diante do Santo Sudário. Em seguida, na Praça São João, vai celebrar a Santa Missa para todos os fiéis e peregrinos presentes e, ao final, fará a oração mariana do Ângelus.

Na parte da tarde, Bento XVI encontrará os jovens na Paróquia Santa Face de Turim. Durante o trajeto rumo à paróquia, o Papa fará uma breve visita ao Hospital Cotollengo para encontrar e abençoar os pacientes da Pequena Casa da Divina Providência.



Na carta, Cardeal Poletto declarou que o dia 02 de maio de 2010 será uma ocasião "única" para encontrar o Santo Padre, rezar por ele e com ele, e escutar a mensagem particular que ele trará à Igreja de Turim e para toda a sociedade da cidade.



"O Papa quer, sobretudo, oferecer uma palavra de conforto aos que sofrem, e o fará em sintonia com o tema da exposição do Santo Sudário "Passio Christi, Passio hominis [Paixão de Cristo, Paixão do homem]", declarou o Arcebispo de Turim.



O cardeal expressa ainda o reconhecimento ao Santo Padre e considera a visita apostólica "um presente extraordinário do seu coração de Pai". Declara ainda que o Pontífice será acolhido "com grande afeto e entusiasmo", o que representará "apoio e conforto" para que continue sua missão. "[Isto lhe ajudará] para continuar por muitos anos oferecendo-nos o belo testemunho de sua fé e de sua sabedoria com a qual está conduzindo a Igreja, tornando-se, assim, para o mundo inteiro, um ponto de referência de primeira importância para a defesa dos valores fundamentais de toda a humanidade".


Fonte: Canção Nova e Rádio Vaticano


Papa envia mensagem a Patriarca Supremo dos armênios

O Papa Bento XVI enviou, nesta terça-feira, 27, uma mensagem ao Patriarca e Catholicos de Todos os Armênios, Karekin II. O motivo da mensagem é o décimo aniversário da eleição e entronização de Karekin II como Patriarca Supremo.
O Papa afirma que conhece o empenho pessoal de Karekin II em prol do diálogo, da cooperação e da amizade entre a Igreja Apostólica

Armênia e a Igreja Católica – empenho expresso claramente pelos vários encontros realizados recentemente entre as duas Igrejas. "Faço votos de que as boas relações que foram estabelecidas entre nós continuem a se fortalecer nos próximos anos", diz a mensagem.

Por fim, Bento XVI recorda a reconquista da liberdade por parte da Igreja armênia no final do século passado. Em pouco tempo, o esforço para a reconstrução da comunidade eclesial já produziu frutos: a educação da juventude, o aumento de vocações, a construção de novas igrejas e centros comunitários e a promoção dos valores cristãos na vida cultural e social da nação.


Fonte: Rádio Vaticano

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Santa Sé recebe lefebvrianos para diálogo doutrinal


O Vaticano acolheu nesta segunda-feira, 26, o primeiro encontro entre representantes da Comissão Pontifícia "Ecclesia Dei" e a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, fundada por monsenhor Marcel Lefèbvre.

O objetivo do encontro foi "examinar as dificuldades doutrinais que ainda subsistem" nas relações entre as duas partes.

Segundo comunicado da Santa Sé, o debate aconteceu num "clima cordial, respeitoso e construtivo", abordando as questões de "caráter doutrinal que serão tratadas e discutidas no decorrer dos diálogos que acontecerão nos próximos meses", provavelmente com uma frequência bimestral.

Em particular, serão examinadas as questões relacionadas ao conceito de "Tradição", a interpretação do Concílio Vaticano II e a celebração da Missa após as alterações conciliares.

Além disso, serão abordados temas como o ecumenismo, relações com outras religiões e liberdade religiosa.

Entenda melhor

Em março deste ano, o Papa Bento XVI tornou pública uma carta dirigida aos bispos católicos de todo o mundo para explicar a remissão das excomunhões de quatro bispos da Fraternidade São Pio X, no mês de janeiro, que tinham sido ordenados pelo falecido Arcebispo Lefebvre sem mandato pontifício, no ano de 1988.

Nessa altura, revelou a intenção de unir a Comissão "Ecclesia Dei" - instituição competente desde 1988 para as comunidades e pessoas que, saídas da Fraternidade São Pio X ou de idênticas agregações, queiram voltar à plena comunhão com o Papa - à Congregação para a Doutrina da Fé.

"Deste modo torna-se claro que os problemas, que agora se devem tratar, são de natureza essencialmente doutrinal e dizem respeito sobretudo à aceitação do Concílio Vaticano II e do magistério pós-conciliar dos Papas", explicava.

Em julho, com o Motu Proprio "Ecclesiae unitatem", Bento XVI apresentou uma nova estrutura da Comissão instituída em 1988, por João Paulo II. O Papa indicou que a remissão das excomunhões foi um procedimento canônico "para libertar as pessoas do peso da mais grave censura eclesiástica", mas sublinhou que "continuam em aberto as questões doutrinais".

Até que estas sejam esclarecidas, a Fraternidade Sacerdotal São Pio X "não pode gozar de um estatuto canônico na Igreja e os seus ministros não exercem de modo legítimo qualquer ministério na Igreja".

Fonte: Canção Nova e Ecclesia

sábado, 24 de outubro de 2009

FREI ANTÔNIO DE SANT'ANNA GALVÃO (1739-1822)

Hino a Frei Galvão



História de Frei Galvão (o video foi feito um pouco antes da sua Canonização, por isso está um pouco desatualizado, porém vale a pena ver).



Antônio de Sant'Anna Galvão nasceu em Guaratinguetá no Estado de São Paulo, em 1739, de família de prática cristã que lhe transmitiu a fé e a busca de fidelidade a Cristo. Aos treze anos, foi enviado ao Colégio dos Padres Jesuítas no distrito de Belém da cidade de Cachoeira no Estado da Bahia, onde permaneceu de 1752 a 1756.

Voltando a Guaratinguetá, desejava entrar na Companhia de Jesus, mas o pai opôs-se por causa da perseguição do Marquês de Pombal às congregações religiosas e de modo particular aos jesuítas que acabaram sendo supressos. Assim Antônio foi encaminhado aos Padres Franciscanos, os quais exercitavam o ministério pastoral na vizinha paróquia de Taubaté. Em 1760, entrou no noviciado em Macacu, Estado do Rio de Janeiro, e no ano seguinte já fez a profissão religiosa. Em 11 de junho de 1762 foi destinado ao Convento de SãoFrancisco na cidade de São Paulo, para estudar Filosofia e Teologia, ser ordenado sacerdote e ajudar, ao mesmo tempo, seus confrades no trabalho apostólico. Trabalhou como pregador, confessor e também porteiro do Convento de São Francisco em São Paulo.

Fundou em 1774 o Recolhimento de Nossa Senhora da Conceição da Luz da Divina Providência, hoje conhecido como "Mosteiro da Luz", na cidade de São Paulo. Este "Recolhimento", sob pressão do Capitão-Geral D. Martim Lopes Lobo de Saldanha, foi fechado no mês de junho de 1775, reaberto em agosto do mesmo ano, graças à permissão do Bispo de São Paulo, Dom Manuel da Ressurreição.

Em 1780, foi condenado ao exílio porque tinha protestado contra a morte cruel de um soldado. Partiu imediatamente a pé para o Rio de Janeiro, porém com a rebelião do povo, o capitão revogou a sentença, e Frei Antônio voltou ao convento.

Frei Galvão foi reconhecido como "homem da paz e da caridade". Na carta da Câmara do Senado de São Paulo ao Ministro Provincial dos Franciscanos em 17 de abril de 1798, lê-se: "Este homem, Frei Galvão, é preciosíssimo a toda esta cidade e vilas da Capitania de São Paulo, é homem religiosíssimo e prudente conselheiro do qual todos vão ao encontro para ter luz e conforto; é homem da paz e da caridade".

No Registro dos Religiosos Brasileiros, no fim do currículo da vida (1802-1806), afirma-se: "Seu nome, em São Paulo, mais que em qualquer outra localidade, é escutado com grande confiança; muitas pessoas de regiões longínquas vêm procurá-lo em suas necessidades, uma e mais vezes".

Em 1939, dele escrevia Dom Frei Henrique Golland Trindade: "Conselheiro, ouvido por leigos e por religiosos, sabia dizer a palavra justa ao pecador como também à alma de grande perfeição. Pacificador das almas e das famílias, dispensador de caridade sobretudo aos pobres e aos doentes. Foi um frade de muita caridade, de muita vida espiritual". Outro historiador assim escreveu: "Procurado para as confissões, para pacificar nas discórdias, para ajustar problemas temporais, além de ser zeloso, era sábio e prudente".

Voltando da fundação de Sorocaba, o Beato viveu ainda dez anos sempre em seu Convento de São Francisco. Quando as forças já não lhe permitiam mais andar do Convento ao Recolhimento, com a permissão dos Superiores e do Bispo, passou a morar nas dependências da obra por ele fundada. Na última doença, foi transferido para um quartinho atrás do tabernáculo, no fundo da igreja por ele construída e inaugurada em 1802, onde as religiosas podiam oferecer-lhe assistência.

Faleceu em 23 de dezembro de 1822, assistido pelo superior e pelos confrades e sacerdotes, que admiravam suas virtudes e sua vida apostólica. Foi sepultado diante do altar-mor da igreja do Recolhimento da Luz.

Assim morreu um santo, suscitado por Deus para ser testemunha do seu amor.

Fonte: Site do Vaticano

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Somos uma Família (dublado)

Sínodo para a África apresenta mensagem final

A Mensagem final da II Assembleia Especial para a África do Sínodo dos Bispos foi apresentada nesta sexta-feira, 23, no Vaticano, na presença do Papa Bento XVI. O documento pede que a comunidade internacional trate o continente africano com "respeito" e altere as regras do jogo econômico, com referência especial para a dívida externa. A exploração das multinacionais e interesses por trás das ajudas às populações carentes também estão na mira dos padres sinodais. A Mensagem destaca que, em relação à pandemia da AIDS, a Igreja não fica atrás de ninguém na luta contra a difusão do HIV e no cuidado dos doentes. À imagem do que já foi afirmado pelo Papa, sublinha-se que esta questão não se resolve com a distribuição de preservativos. Uma palavra especial é dedicada às relações com o Islã, assegurando que o diálogo é possível, mas que é importante dizer "não" ao fanatismo. "África, levanta-te e anda!" é o forte apelo deixado pelos Bispos, que repetem o pedido aos sacerdotes, para que respeitem o celibato, às famílias, os jovens e às crianças. Em comum, o pedido de que todos se empenhem em favor da reconciliação e que exista discernimento no confronto com o mundo ocidental. O esboço deste texto havia sido apresentado à assembleia no dia 17, em diversas línguas, e hoje foi a votação para aprovação definitiva. A Mensagem será apresentada, ainda hoje, em uma Coletiva de Imprensa, no Vaticano. Resumo do Sínodo Desde o dia 4 de outubro, várias questões foram abordadas no Sínodo para a África, que teve como tema "A Igreja na África ao serviço da reconciliação, da justiça e da paz". Nas intervenções dos participantes, o tema "paz" foi o mais abordado, 402 vezes, no total. O termo "justiça" contou com 345 menções. O tema "Guerra" foi mencionado 158 vezes, recebeu mais citações que o "amor", nomeado 122 vezes. O termo "violência" perdeu para a "esperança" por 57 contra 40 citações. A importância do "diálogo" foi sublinhada 85 vezes, assim como da "educação", 76 vezes, que nem sempre estava acompanhada do tema "escola", mencionado 30 vezes, mas quase sempre de "crianças", mencionadas 60 vezes, 4 das quais em forma de "crianças-soldado". O tema das "mulheres" foi considerado em 20 momentos, enquanto o da "economia" apareceu 14 vezes. O Islã foi mencionado 33 vezes. Entre os temas que preocupam a realidade africana, destacaram-se a "Aids", num total de 27 vezes, o "exorcismo" que foi mencionado 12 vezes, o "zelo sacerdotal", destacado 7 vezes. A "prostituição", as "religiões tradicionais" tiveram igual menção, 6 vezes cada uma. Já o termo "prisão" foi mencionado 3 vezes.

Fonte: Canção Nova e Ecclesia

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Perito esclarece: Porta aberta aos anglicanos não é para ex-sacerdotes católicos casados

Um prestigioso teólogo católico americano converso do anglicanismo, explicou que o anúncio da Santa Sé sobre a criação do Ordinariatos Pessoais para acolher aos paroquianos e clérigos anglicanos, não é uma porta aberta para os ex-sacerdotes católicos que abandonaram a Igreja nem tampouco permite que os sacerdotes em funções contraiam matrimônio.

O Padre George Rutler (foto), que durante nove anos foi sacerdote episcopaliano –membro da comunhão anglicana-, converteu-se ao catolicismo e foi ordenado sacerdote católico. Ele escreveu mais de 14 livros de teologia, tem um programa televisivo no canal católico EWTN e é pároco em Nova Iorque.

Em declarações à agência Catholic News Agency, que integra o Grupo ACI, o perito lamentou que a imprensa “desinformada e sempre sensacionalista em temas de religião”, concentre-se na admissão de sacerdotes anglicanos casados no seio da Igreja.

Para exercer o ministério sacerdotal na Igreja Católica, “estes sacerdotes anglicanos casados deverão ser ordenados completa e validamente por um bispo católico. Seguindo o costume ortodoxo, eles puderam casar-se somente antes da ordenação anglicana e não depois. E nenhum homem casado se converterá em bispo”, explicou o Padre Rutler esclarecendo que a Igreja não está abrindo uma porta a aqueles ex-sacerdotes católicos que abandonaram a Igreja e contraíram matrimônio.

Além disso, assinalou que “os bispos anglicanos que se unam aos ‘ordinariatos’ (católicos) já não serão reconhecidos como bispos. Por uma concessão especial, os bispos anglicanos terão certo direito de autoridade pastoral, mas não serão bispos”.

Segundo o sacerdote, com esta cobertura jornalística se perde de vista “o ponto mais importante”: “O anúncio da Santa Sé reitera a insistência da Igreja Católica em que as sagradas ordens anglicanas são inválidas, e em conseqüência também sua eucaristia”.

Para o Padre Rutler, será necessário ver quantos anglicanos (episcopalianos nos Estados Unidos) serão recebidos na Igreja Católica sob estas condições, mas o anúncio confirma “a rápida desintegração do anglicanismo ao menos no Ocidente e desafia radicalmente os anglicanos em outras partes do mundo”.

O perito considerou que os pedidos massivos de ingresso na Igreja Católica, são “uma bofetada ao anglicanismo liberal e um repúdio total da ordenação de mulheres, o matrimônio homossexual e o descuido geral da doutrina no anglicanismo. De fato, trata-se de um rechaço definitivo do anglicanismo”.

“Basicamente, o anglicanismo se interpreta como um patrimônio espiritual apoiado na tradição étnica em lugar da doutrina substancial e deixa em claro que não é uma igreja histórica, mas sim uma comunidade eclesiástica, que se desviou e agora é convidada a retornar à comunhão com o Papa como Sucessor do Pedro”, indicou.

Também destacou o cuidado do anúncio no Vaticano, realizado em simultâneo com uma conferência de imprensa do Arcebispo católico de Westminster e o Arcebispo anglicano de Canterbury em que disseram que a próxima constituição reconhece o patrimônio espiritual do anglicanismo e que o diálogo ecumênico segue adiante.

Fonte: ACI

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Religiosa recebe prêmio por luta em defesa da vida

Na tarde desta quinta-feira, 22, a coordenadora da Comissão Justiça e Paz (CJP) do Regional Norte 2 da CNBB (Pará e Amapá), irmã Henriqueta Cavalcante, vai receber a premiação João Canuto de Direitos Humanos, pelo reconhecimento de sua luta em defesa da vida.

A premiação acontece a partir das 17h30, durante o 7º Fórum Anual do Movimento de Direitos Humanos (MHuD), no auditório Manoel Maurício, no Rio de Janeiro. Participam da programação treze universidades brasileiras e cinco estrangeiras.



O prêmio é uma iniciativa da ONG Humanos Direitos, presidida pela atriz paraense Dira Paes. O Fórum segue até o dia 23.


Fonte: Canção Nova CNBB

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Santa Sé dá novos passos para comunhão com anglicanos

A Santa Sé publicou, nesta terça-feira, 20, uma nota informativa da Congregação para a Doutrina da Fé sobre os decretos pessoais para os anglicanos que desejam entrar em comunhão com a Igreja Católica.

O texto fala da preparação de uma Constituição Apostólica, em que a Igreja vai responder às muitas questões que foram apresentadas à Santa Sé por grupos do clero anglicano e fiéis de diversas partes do mundo que desejam se integrar à Igreja Católica.

Nesta Constituição Apostólica, o Papa Bento XVI introduz uma estrutura canônica que fornece para tal união o "Ordinário Pessoal", que permitirá aos anglicanos entrar em comunhão plena com a Igreja católica, conservando elementos do patrimônio litúrgico e espiritual da Igreja Anglicana.

Em Londres, o primaz da Igreja Católica na Inglaterra e Gales, Arcebispo Vincent Gerard Nicholso, e o primaz da Comunhão Anglicana e Arcebispo de Cantuária, Rowan Williams, participaram de uma coletiva de imprensa sobre a nova estrutura da Igreja para os anglicanos.

O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal William Levada, ressalta o interesse da Congregação em responder aos pedidos dos anglicanos em diferentes partes do mundo: "Temos tentado encontrar as solicitações para a comunhão plena que veio até nós de anglicanos de diferentes partes do mundo. Com esta proposta, a Igreja quer responder às aspirações legítimas destes grupos anglicanos para a unidade plena e visível com o Bispo de Roma, sucessor de Pedro".

A nota da Santa Sé afirma que a Constituição vai fornecer uma resposta razoável e mesmo necessária a um fenômeno mundial, oferecendo um único modelo canônico para a Igreja Católica que é adaptável a várias situações locais. Um exemplo diz respeito aos seminaristas anglicanos: poderão ser preparados junto aos seminaristas católicos, embora possa ser estabelecida uma casa de formação a fim de atender às necessidades particulares de formação dentro do legado anglicano. Desta maneira, a Constituição Apostólica procura equilibrar o patrimônio espiritual e litúrgico anglicano e, por outro lado, o interesse que estes grupos e o seu clero têm de ser integrados à Igreja católica.


De acordo com a nota, o decreto desta nova estrutura é coerente com o compromisso de diálogo ecumênico, que continua a ser uma prioridade para a Igreja Católica, particularmente pelos esforços da Promoção da Unidade dos Cristãos. "A iniciativa veio de um número de grupos diferentes de anglicanos. Declararam que compartilham a fé católica como é expressada no Catecismo da Igreja Católica e aceitam o ministério de Pedro como um legado de Cristo para a Igreja. Para eles, o tempo veio expressar esta unidade implícita na forma visível de comunhão plena", declarou Cardeal Levada.

O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé afirma ainda a esperança do Santo Padre que o clero Anglicano encontre nesta estrutura canônica a oportunidade de conservar as tradições anglicanas, preciosas para eles e coerente com a fé católica. "Na medida em que estas tradições expressam numa maneira distinta a fé que é assegurada em comum, elas são um presentes a ser compartilhado por toda Igreja. A unidade da Igreja não exige uma uniformidade que ignora a diversidade cultural", enfatiza o bispo.

Por fim, Cardeal Levada ressalta que esta união está enraizada no princípio que São Paulo apresentou em sua carta aos Efésios: "Há um Senhor, uma fé, um batismo'". "Nossa comunhão, portanto, é fortalecida por tal diversidade legítima. Assim, estamos felizes por estes homens e mulheres trazerem suas contribuições particulares à nossa vida comum de fé", conclui.

Fonte: Canção Nova

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

São Pedro de Alcântara, Padroeiro do Brasil

Pedro Gavarito nasceu em Alcântara, na Espanha, em 1499, ano da publicação da Bula sobre as indulgências, que seria usada por Lutero como pretexto para sua rebelião contra Roma. De família nobre, seu pai era legista e prefeito da cidade.

Aos 25 anos, apesar de sua relutância, Frei Pedro foi ordenado sacerdote. Com ele, muitas vezes a obediência tinha que vencer a humildade.

Diz seu biógrafo que “a missa de Frei Pedro de Alcântara valia por uma missão. Podia-se apalpar a sublime familiaridade que o unia a Cristo”.

Recebeu ordens de pregar, e “todos se admiravam da profundidade de sua doutrina, do calor de sua palavra”, de sua “eloqüência máscula e robusta, toda embebida de Sagrada Escritura unindo estranhamente as graças das Bem-aventuranças com as chicotadas de João Batista”.

O “pior” para Frei Pedro era que Deus se comprazia em mostrar publicamente as graças que lhe concedia. Às vezes era arrebatado em êxtase, em plena rua, quando estava esmolando para o convento. Ou na igreja, em frente a todos seus confrades e fiéis. Isso, para ele, era o maior tormento.

Como São José de Cupertino, “às vezes uma só palavra o arrebatava de tal modo, que começava a lançar gritos ininteligíveis, saía fora de si, e ficava suspenso no ar.

Poucos sabem que São Pedro de Alcântara também é Padroeiro do Brasil, assim como Nossa Senhora Aparecida. Foi à pedido do Imperador D. Pedro, que o Papa Leão XXII proclamou São Pedro de Alcântara Padroiro do Brasil.

São Pedro de Alcântara
Rogai por nós!!!.

domingo, 18 de outubro de 2009

A Igreja existe para anunciar a esperança, diz Papa

Na manhã deste domingo, 18, o Papa Bento XVI, antes da oração do Ângelus, falou aos fiéis reunidos na Praça São Pedro, sobre o compromisso missionário cristão, devido ao Dia Mundial das Missões, celebrado hoje, e o Sínodo dos Bispos para a África, em andamento no Vaticano. O Papa pediu a todos os fiéis que ajudem espiritual e materialmente a Igreja Católica nos países mais pobres.

Bento XVI destacou que o Dia das Missões constitui para cada comunidade eclesial e para todos os cristãos uma forte chamada ao empenho de anunciar e testemunhar o Evangelho a todos, em particular aos que ainda o não conhecem.

Trata-se de testemunhar e transmitir a luz de Deus, revelada pelo Messias e que se reflete no rosto da Igreja. É a luz do Evangelho que guia os povos à constituição de uma grande família, na justiça e na paz, sob a paternidade do único Deus bom e misericordioso. A Igreja existe para anunciar esta mensagem de esperança a toda a humanidade, sublinhou o Papa.

Em todo o mês de outubro e, de modo especial no terceiro domingo, a Igreja põe em relevo a sua vocação missionária. “Guiada pelo Espírito Santo, a Igreja sabe estar chamada a prosseguir a obra do próprio Jesus, anunciando o Evangelho do Reino de Deus, que é justiça, paz e alegria no Espírito Santo”, destacou o Papa.

“Este Reino já está presente no mundo como força de amor, de liberdade, de solidariedade, de respeito da dignidade de cada homem, e a comunidade eclesial sente premer no coração a urgência de atuar para que se realize plenamente a soberania de Cristo”, enfatizou.

Todos os membros e articulações da Igreja cooperam neste projeto, segundo os diversos estados de vida e os carismas – reconheceu Bento XVI, que prosseguiu recordando expressamente os “missionários”, em sentido estrito:

“Quero recordar os missionários e as missionárias – padres, religiosos, religiosas e voluntários leigos – que consagram a sua existência a levar o Evangelho ao mundo, enfrentando também privações e dificuldades e por vezes até mesmo autênticas perseguições”.


Bento XVI recordou os missionários seqüestrados, mortos e perseguidos em seu trabalho e pediu aos católicos que os sustentem. Entre eles, o Santo Padre destacou dois: “Padre Ruggero Ruvoletto, sacerdote fidei donum, recentemente assassinado no Brasil e o padre Michael Sinnot, religioso irlandês, sequestrado poucos dias atrás nas Filipinas”.

Padre Rogério, como era conhecido no Brasil, foi assassinado em sua habitação, no dia 19 de setembro passado, aos 52 anos. Vivia em Manaus, há dois, e era encarregado de diversos projetos, entre os quais a construção de uma escola para crianças e um centro para ensinar a língua italiana.

Padre Michael Sinnot é um missionário de 79 anos que foi seqüestrado nas Filipinas em 11 de outubro passado. O sacerdote tem dois bypass* e foi recentemente operado do coração.

Ao final, o Papa agradeceu as Pontifícias Obras Missionárias pelo precioso serviço que oferecem na animação e na formação missionária e destacou o espírito de sacrifício e de amor a Cristo e à sua Igreja que está emergindo no Sínodo dos Bispos para a África.

Nos últimos dias, no Sínodo, os bispos denunciaram à Assembleia a perseguição sofrida pelos cristãos no Sudão, onde ataques violentos são freqüentes. Em alguns episódios, fiéis foram crucificados em árvores nas florestas.

E ao comentar que neste dia a Igreja celebra a festa do evangelista São Lucas, Bento XVI recordou o respectivo Evangelho e os Atos dos Apóstolos: “Invoquemos a sua intercessão, juntamente com a de São Francisco Xavier e de Santa Teresa do Menino Jesus, padroeiros das missões, e da Virgem Maria, para que a Igreja possa continuar a difundir a luz de Cristo para todos os povos.


Fonte: Canção Nova e Rádio Vaticano

sábado, 17 de outubro de 2009

Papa reza por trabalho dos comunicadores católicos

O Papa Bento XVI enviou uma mensagem de saudação aos participantes do Congresso Mundial 2009 da Associação Católica Mundial para a Comunicação (Signis), que se inicia neste sábado, 17, em Chiang Mai, na Tailândia, com o tema "Mídia para uma cultura de Paz: direitos das crianças, promessa de amanhã"."A necessidade de uma responsabilidade no uso da mensagem e dos métodos atraem de modo especial os jovens; sua relação com os meios de comunicação pode ser vista em duas direções: de um lado, está a mídia que forma as crianças; do outro, as crianças estão cada vez mais predispostas a responder adequadamente à mídia", ressalta Bento XVI, recordando sua mensagem de 2007 para o Dia Mundial das Comunicações Sociais.O Papa promete suas preces para que os "trabalhos do Congresso prossigam em favor da promoção dos direitos das crianças, de maneira que incentive as comunidades a ver os direitos como uma prioridade do seu trabalho cotidiano em favor de uma cultura de paz".O Congresso da Signis se encerra no dia 21 de outubro. Centenas de profissionais da comunicação de todo o mundo estão debatendo tópicos como "Questões globais atuais sobre direitos humanos e direitos das crianças", "Novas perspectivas sobre mídia e transformação social" e "O desafio de crescer numa era digital".A Signis foi criada em novembro de 2001 mediante a fusão da Unda (a Associação Católica Internacional para Radio e Televisão) e da Ocic (a Organização Católica Internacional do Cinema e Audiovisual), ambas fundadas em 1928. Hoje, conta com parceiros em 130 países e representa a mídia católica em várias organizações e instituições governamentais e não-governamentais. A Associação tem um estatuto consultivo junto à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).Uma das palestrantes será a Dra. Zilda Arns Neumann, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança Internacional e Pastoral da Pessoa Idosa, que neste domingo, 18, falará sobre como é possível "defender, respeitar e promover os direitos das crianças - na e através da mídia".O Congresso da SIGNIS pode ser acompanhado pelo site www.signisworldcongress.net, que traz artigos, vídeos e galerias de fotos. Também será possível assistir ao vivo o pronunciamento da Dra. Zilda através desse endereço. O pronunciamento será às 9h (hora local) - aqui no Brasil à 1h.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Católicos e hindus a favor do desenvolvimento integral da pessoa humana

Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso publicou mensagem por ocasião da festa Diwali

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso manifesta, numa carta dirigida a todos os hindus por ocasião da festa Diwali, o desejo de “cristãos e hindus trabalharem por um desenvolvimento integral da pessoa humana”.

A mensagem com o tema «Cristãos e Hindus: comprometidos no desenvolvimento integral da pessoa humana», publicada esta Sexta-feira, assinala o início da festa Diwali, a festa da luz, uma solenidade religiosa que dura cinco dias, com celebrações familiares e comunitárias.

As festas religiosas permitem “fortalecer a relação com Deus e com os outros”, exprime a mensagem assinada pelo Cardeal Jean-Louis Tauran, Presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso.

“Espero que a festa da luz possa reforçar essa amizade”, continua. O Cardeal Tauran afirma que para um desenvolvimento integral é necessário ter consciência “do bem para cada pessoa, comunidade e sociedade, em todas as dimensões da sua vida, seja ela social, económica, política, intelectual, emocional, espiritual e religiosa”.

O Cardeal afirma que este desenvolvimento apenas pode ser alcançado através do “reconhecimento de uma responsabilidade partilhada, através de um sério compromisso de cooperação, que advém da nossa condição humana e de pertença à família humana”, assinala.

No processo de desenvolvimento integral, a protecção da vida humana e o respeito pela dignidade dos direitos fundamentais da pessoa “é responsabilidade de todos, individualmente e colectivamente”. “Respeitar os outros implica o respeito pela liberdade de consciência, de pensamentos e religião”.

O Cardeal Tauran afirma que só quando as pessoas se sentirem respeitadas nas suas escolhas fundamentais, podem ir ao encontro dos outro e cooperar no progresso da humanidade. Este caminho, indica, “cria uma ordem social mais pacífica e contribuiu para o desenvolvimento”.

Desenvolvimento, liberdade e paz são “complementares e indissociáveis”, assinala ainda a mensagem.

O Cardeal exprime o desejo de união, construído entre “pessoas de boa vontade” para alcançar “harmonia religiosa e um desenvolvimento integral de todos”.

“Que a festa Diwali possa ser uma ocasião de trabalho conjunto e um tempo de verdadeira liberdade para todos e para o desenvolvimento integral de todos”, finaliza.

Fonte: Ecclesia

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Primeira etapa do Sínodo é encerrada com 25 propostas

A II Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para África, terminou a primeira parte do encontro neta quarta-feira, 14, com a reflexão do Relatio post disceptationem, relatório dos primeiros dias de trabalho que condensa as propostas e temas abordados pelos padres sinodais. A Assembleia prossegue até o próximo dia 25.
O documento foi apresentado pelo relator-geral do Sínodo, o Cardeal Peter Turkson, do Gana e reúne as ideias principais discutidas na Sala do Sínodo que servirão de base para os padres sinodais chegarem aos documentos finais.
O Cardeal Turkson apresentou uma Igreja africana orgulhosa das suas origens apostólicas e de seus antepassados na fé, uma Igreja que para tornar mais forte a sua tarefa de reconciliação deve repensar o seu modo de ser e de agir, atenta à verdade e fiel à sua missão.
A Igreja-família de Deus na África deve ser transformada a partir de dentro e deve transformar o continente, especificou o relator.Assim sendo, o seu apostolado compreenderá, então, vários aspectos destacados pelo Cardeal. "Libertar a população africana de todo medo, inclusive o medo provocado pela magia e pelo ocultismo; assegurar a formação em todos os campos, da catequese aos meios de comunicação social, da política à cultura; desafiar um passado de colonialismo e exploração; resistir às ameaças da globalização".
O Cardeal Turkson chamou ainda a atenção para a questão das migrações, evocando também as legislações dos países ocidentais, e convidou os padres sinodais a examinarem "as etnias", que podem conduzir a atitudes de exclusão e destruir as comunidades, transformando-se quase numa forma de racismo.
O relator-geral do Sínodo citou as sombras que recaem sobre a sociedade africana no campo da família, ameaçada pela ideologia do "genero", pela nova ética sexual global, pela engenharia genética, atacada pela saúde reprodutiva e por estilos de vida "alternativos" ao matrimónio entre homem e mulher.
O Cardeal observou também que existem "sombras" que a Igreja pode ver como desafios e oportunidades para crescer.
O documento compreende ainda um espaço dedicado às mulheres, ainda à margem da cultura africana. Os padres sinodais ouviram o seu grito, alertou o Cardeal Turkson.
A Igreja-família de Deus é convidada a manifestar-se contra as graves injustiças perpetradas contra elas, como a poligamia, violências domésticas, discriminações no direito de herança, matrimónios forçados. "Elas precisam ser reconhecidas, tanto na sociedade como na Igreja, como membros ativos", indicou.
Outro apelo foi dirigido a favor das crianças, que segundo o relator é a "parte mais sofredora da população africana que sofre abusos", são obrigadas à guerra, e vêem os seus direitos à educação negados.
O mesmo cuidado foi reservado aos jovens, sublinhando a escassez de políticas governamentais sobre a educação e o trabalho a eles dirigidas.
O Cardeal destacou também a necessidade de um exercício responsável do poder por parte dos líderes africanos, que devem assumir posições distantes da corrupção, respeitar os governos democráticos, sem tolerar os golpes de Estado.
Os episcopados africanos querem reforçar a sua presença nas organizações continentais, como a União Africana, em harmonia com a ação da Santa Sé, para estimular e garantir iniciativas de reconciliação, justiça e paz, indicou o Cardeal Turkson.
O relator ressaltou que não se perdeu de vista a pandemia da AIDS e sublinhou o esforço da Igreja na redução da visão social negativa imposta às pessoas vítimas da doença. Foi feito um apelo para que os doentes africanos recebam os mesmos tratamentos oferecidos na Europa.
O documento aponta ainda a necessidade de "travar a fabricação de armas, evitar uma guerra pela água, a promover meios de comunicação locais que não instrumentalizem o continente".
O relator fez eco das posições negativas que os episcopados apresentam sobre a "ganância das multinacionais que querem apropriar-se dos recursos naturais de África, desencadeando conflitos tribais". O Cardeal Turkson defendeu a necessidade de um quadro jurídico internacional que garanta o controle destas empresas e das indústrias de extracção.
O documento aponta ainda a necessidade de uma "formação ativa com os muçulmanos de boa vontade para reduzir as tensões".
O Cardeal Turkson resume tudo em 25 perguntas. Cabe agora aos Círculos menos encontrar as respostas adequadas das quais nascerão, depois, as Proposições finais.


Fonte: Ecclesia

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Papa cita Pedro, o Venerável, como exemplo de união íntima com Deus

Na Catequese desta quarta-feira, 14, o Papa Bento XVI dedicou o tema à vida de Pedro, o Venerável, um abade beneditino de Cluny, na França, que viveu na Idade Média.

De acordo com o Santo Padre, Pedro era um homem devoto, dedicado a orações, privações e mortificações, foi asceta rigoroso consigo mesmo, mas compreensivo e afável com os outros: um exemplo de íntima união com Deus e da delicadeza, fruto da caridade cristã.

Ao descrever a vida do santo, Bento XVI explicou como suas atitudes ainda são atuais: “Uma destacada figura de mediador e de reconciliador, tanto no âmbito de seu mosteiro como no agitado mundo de sua época. Costumava dizer que se obtém mais de uma pessoa quando é compreendida e não irritada. Preocupou-se em estimular o espírito eclesial para que todos os cristãos sentissem o palpitar do Corpo de Cristo, que é toda a Igreja”.

Conforme apresente]ou o Pontífice, naquele clima de intransigência da época, Pedro, o Venerável favoreceu um maior conhecimento dos não-cristãos, como judeus e muçulmanos. Fiel ao ideal de São Bento, criou em Cluny o Dia da Transfiguração, como expressão litúrgica da aspiração de contemplar a face gloriosa de Cristo.

Bento XVI citou o abade como um exemplo também para os nossos tempos, marcados por um ritmo de vida frenético onde a intolerância, as divisões e os conflitos são freqüentes. "Seu testemunho nos convida a unir o amor de Deus e o amor do próximo, reforçando nossas relações de fraternidade e de reconciliação", afirmou.

Saudações

Após a sua Catequese, Bento XVI fez saudações em inglês, francês, alemão, espanhol, polonês, ucraniano, húngaro, eslovaco, croata, italiano e português.

Ao peregrinos de língua portuguesa, desejou uma maior adesão à pessoas de Jesus Cristo: “Dirijo uma saudação particular de boas-vindas aos peregrinos de língua portuguesa, com votos de que a presença na cidade dos Apóstolos Pedro e Paulo fortaleça a vossa adesão a Jesus Cristo e o desejo de servi-lo através do amor ao próximo, do perdão e da busca pela paz. O Pai do Céu derrame os seus dons sobre vós e vossas famílias, que de coração abençoo”.

No final do encontro, o Papa concedeu a sua benção a todos os presentes e saudou de modo especial todos os que vieram de outros países para participar, no último domingo, 11, da cerimônia de canonização por ele presidida na Basílica de São Pedro.

Fonte: Canção Nova e Rádio Vaticano

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Bento XVI visitará sede da FAO e Sinagoga de Roma

A Santa Sé divulgou hoje, 13, que o Papa Bento XVI visitará a sede da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em Roma, no dia 16 de novembro, por ocasião da abertura do Vértice Mundial sobre Segurança Alimentar.

O comunicado da Sala de Imprensa do Vaticano informa ainda que no dia 17 de janeiro de 2010, o Santo Padre visitará a Sinagoga de Roma para encontrar a comunidade judia, por ocasião do 21° Dia para o aprofundamento e o desenvolvimento do diálogo entre católicos e judeus, da Festa do "Mo'èd di Piombo", que coincide com o dia da visita.

Esta festa celebra um acontecimento considerado milagroso, ocorrido em 1793 no gueto de Roma.

Na ocasião, os judeus escaparam da fúria do povo romano que tinha se reunido diante de seus portões, convencidos de que os judeus ajudaram e protegeram os partidários das novas idéias revolucionárias provenientes da França.

Improvisamente, caiu uma tempestade, que dispersou a multidão. O nome Mo’ èd di Piombo está relacionado à cor escura do céu, como o chumbo (piombo).

Fonte: Canção Nova e Rádio Vaticano.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Milhares de fiéis se reúnem em Aparecida para saudar Nossa Senhora


Milhares de romeiros se reuniram nesta segunda-feira, 12, em Aparecida, interior de São Paulo, para celebrar o dia de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

O dia de festa começou logo cedo, com a Santa Missa, presidida pelo reitor do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, padre Darci Nicioli.

Em sua homilia, padre Darci destacou que "no seio bendito" de Maria, Deus se revelou concretamente e se encarnou. Disse ainda que aqueles que não conseguem ver a Deus, é porque não trocaram olhares com Nossa Senhora. "Todo aquele que troca olhares com Nossa Senhora, na Mãe encontra o Filho, porque esta é a missão da Mãe".

O Evangelho de hoje, das Bodas de Caná, revela uma "Maria sensível" que vai ao encontro do necessitado e intercede ao seu Filho Jesus, explicou o sacerdote e, ressaltou que Maria nos ensina a sermos santos. "Nós somos chamados à vida, nossa primeira vocação, e a uma vocação santa, por isso Maria é para nós um grande modelo, porque é solidária, misericordiosa, caridosa".

Segundo padre Darci, Nossa Senhora teve um grande compromisso com a vida. "Podemos imaginar o coração daquela menina, que Deus tocou de maneira privilegiada e deu a ela uma missão. Mas ela acreditou, não se acorvadou. Maria nos ensina o compromisso com a vida".

E fez um convite aos fiéis para aprender com Nossa Senhora a defender a vida em todas as circuntâncias. "Precisamos aprender a lutar pela vida. Sempre, a vida é completa em si mesmo, porque é Dom de Deus. E nada que sai das mãos de Deus carece, mas é sempre perfeição. Nós não podemos renunciar a grandeza da vida, porque estaremos renunciando a nossa humanidade".

"Um filho não é um estorvo. Não pode ser um impecilho para uma vida feliz. Ao contrário, é a continuação do que somos. Ter um filho é responder a maior benção de Deus", explicou o sacerdote. "A maior miséria da vida humana é quando alguém renuncia a possiblidade de ter uma vida".

"Nada acontece no mundo por acaso, ninguém vem ao mundo por acidente. Todos nós existimos dentro de um plano maior, o "plano de Deus". E Ele chama todos a uma missão", disse.

E concluiu pedindo que Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, que diante de Deus sempre disse "sim", e por amor, "deixou-se possuir por Deus", seja nossa "eterna inspiração".

A expectativa é que cerca de 137 mil pessoas visitem hoje o Santuário de Aparecida.

O Arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis, está em Roma participando da II Assembleia Especial para a África do Sínodo dos Bispos. Mas, a convite do padre reitor do Colégio Pio Brasileiro da Itália, preside hoje às 17h (hora local) uma Missa em honra a Nossa Senhora Aparecida, na capela do colégio.

Fonte: Canção Nova

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Dom Cláudio Hummes fala sobre a Eucaristia na vida da Igreja

O prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Cláudio Hummes, presidiu na manhã desta sexta-feira, 9, a Missa da 3ª Semana Brasileira de Catequese (SBC), em Itaici (SP). Durante a homilia, Dom Cláudio meditou com os catequistas sobre a Eucaristia na vida da Igreja. A catequese é acompanhada pela Congregação da qual o cardeal é prefeito, em Roma.

"A mesa do Pão Eucarístico é memória de Cristo, morto e ressuscitado, o pastor que dá a vida por suas ovelhas. Nesta mesa não há diferença entre ricos e pobres, pecadores e santos. Aqui se manifesta a nova sociedade que queremos, mais justa e mais solidária com os pobres", disse o cardeal.



Dom Cláudio lembrou que a Missa reúne toda a Igreja, não importa o número dos que participam da Celebração. "A Eucaristia sempre tem a ver com toda a Igreja. É toda a humanidade que está presente. Ela tem uma dimensão cósmica", ressaltou.



O cardeal disse, ainda, que a catequese deve conduzir as pessoas para a mesa da Eucaristia. "Somos discípulos e missionários ao redor desta mesa. Na Eucaristia devemos fazer o caminho de Emaús onde Jesus Ressuscitado se fez presente para uma Igreja cansada e pouco encorajada".



Dom Cláudio passa a manhã com os catequistas e profere uma palestra cujo tema é "discípulos missionários hoje".


Fonte: CNBB

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Agradecimento


Gostaria de agradecer a todos os visitantes do blog, mas em especial quero agradecer ao primeiro visitante do Vaticano.

A pergunta que fica no ar: Quem será essa pessoa???? Um Presbitero, Bispo, Cardeal ou um Leigo???

Não importa, sobre tudo é um filho de Deus.


Cesar da Rocha Pires.

JMJ

Santuários de Portugal e do Cristo Redentor assinam acordo

Os santuários de Cristo Redentor do Rio de Janeiro e Cristo Rei de Portugal vão estreitar os seus laços. Na próxima segunda-feira, 12, o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, recebe o Bispo de Setúbal (Portugal), Dom Gilberto Reis, e o reitor do Santuário português, padre Sezinando Luis Felicidade Alberto, para assinarem os termos da geminação dos dois santuários.

A primeira fase desse acordo aconteceu no dia 17 de maio deste ano, quando Dom Orani e representantes dos governos federal, estadual e municipal do Rio de Janeiro estiveram em Setúbal por ocasião do cinqüentenário da inauguração do Santuário de Cristo Rei, quando foi dado o primeiro passo para a geminação.

Na cerimônia, o reitor do Santuário de Cristo Rei entregará ao reitor do Santuário do Cristo Redentor, padre Omar Raposo, uma réplica em bronze da imagem de Cristo Rei. No mesmo dia o Consulado Português no Rio de Janeiro fará uma recepção, no Palácio de São Clemente, à comitiva portuguesa, ao arcebispo do Rio e bispos auxiliares, além de convidados civis e religiosos.

Uma outra solenidade vai acontecer na terça-feira, 13, pela inauguração da primeira fase da réplica da Capelinha das Aparições do Santuário de Fátima, que vai ser construída na cidade do Rio de Janeiro.

Os Santuários de Cristo Rei e do Cristo Redentor

A inspiração para a construção do santuário português começou em 1934, com o então Cardeal Patriarca de Lisboa, Dom Manoel Cerejeira, que, ao conhecer o monumento carioca desejou construir um semelhante em Portugal. A ideia foi apoiada pelo bispos do país, sendo a pedra fundamental lançada em 18 de dezembro de 1949.

A inauguração do monumento foi no dia 17 de maio de 1959, Dia de Pentecostes, diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima, com a presença dos episcopados português e brasileiro.

O arcebispo do Rio ressalta como o Brasil, entre os países colonizados, se torna uma referência para o continente europeu: “É interessante notar que nós que recebemos da Península Ibérica o primeiro anúncio da fé, tenhamos em Portugal um Santuário que foi inspirado na imagem do nosso Cristo Redentor”.

Além da assinatura da geminação, o Santuário de Cristo Redentor completa 78 anos de inauguração, no próximo dia 12. O monumento foi erguido no cume do Corcovado, a 710 metros de altura, e mede 38 metros de altura e pesa 1.145 toneladas. A estátua que foi construída com a participação popular é, hoje, uma das sete maravilhas do mundo moderno.

Dom Orani enfatiza ainda como o Cristo Redentor deve ser um sinal que recorde a salvação e a unidade trazidas por Jesus: “Além da influência que foi também para muitas cidades do Brasil colocarem nos montes ou entrada dos municípios esse sinal do amor de Deus, foi ainda tema de canções e livros. Queremos que ele seja sempre um sinal que nos recorde o Senhor e Salvador Jesus Cristo, que convida a todos para que se aceitem mutuamente e cresçam na unidade”.

Fonte: Canção Nova e Agências

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Acordo Brasil e Santa Sé é aprovado em comissão do Senado


Os senadores da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) acabam de aprovar o Acordo entre o Brasil e a Santa Sé, a partir do parecer favorável do senador Fernando Collor (PTB-AL). A matéria segue para decisão final no Plenário do Senado e teve abstenção apenas do senador Geraldo Mesquita Júnior (PMDB-AC).

Na discussão da matéria, o relator, senador Fernando Collor (PTB-AL), favorável ao texto, destacou que o acordo não fixa relação de dependência entre as partes.

O texto, já aprovado pela Câmara dos Deputados, tem 20 artigos e consolida na lei condutas e procedimentos já adotados pela Igreja Católica no país, como o casamento, o ensino religioso nas escolas e a imunidade tributária, concedendo segurança jurídica a esses atos ou situações. O acordo tramita na forma do Projeto de Decreto Legislativo (PDS) 716/09.

Mesquita Júnior explicou que se absteve porque não pode analisar os pontos sobre os quais tinha dúvida, em virtude do curto prazo de tramitação da matéria na comissão. O senador pediu vista da matéria, mas retirou o pedido frente à decisão do presidente da CRE, senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), de fixar em apenas duas horas o período para vista ao projeto. Azeredo justificlou sua decisão argumentando que o projeto ainda será examinado pelo Plenário da Casa.

Na mesma reunião, a comissão aprovou três textos de acordos internacionais, um com a República Federal da Alemanha, para fins de cooperação financeira, outro com o Panamá, para colaboração de serviços aéreos e um terceiro com a Nicarágua.

Fonte: Canção Nova e Agência Senado

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Anúncio do Evangelho deve ser acompanhado de ação, diz Papa


"A proclamação do Evangelho não pode ser separada do empenho em construir uma sociedade que se conforme com a vontade de Deus." A afirmação do Papa Bento XVI foi feita nesta manhã na II Assembleia especial para a África do Sínodo dos Bispos que acontece no Vaticano. O Papa fez um pequeno pronunciamento em resposta e agredecimento a intervencão do patriarca da Igreja Ortodoxa da Etiópia, sua santidade Abuna Paulos.

O Papa fez uma alerta para a necessidade de respeitar as bênçãos da criação divina e protejer a dignidade e a inocência das crianças. "Em Cristo, nós sabemos que a reconciliação é possível, a justiça pode prevalecer, pode-se consolidar a paz! É esta a mensagem de esperança que somos chamados a proclamar", explicou o Papa.Bento XVI convidou todos a rezar para que "as nossas Igrejas se aproximimem cada vez mais da unidade que é dom do Espírito Santo, para testemunhar conjuntamente a esperança que o Evangelho traz consigo"."Continuemos a atuar a favor do desenvolvimento integral de todas as populações da África, fortalecendo as famílias, que são o baluarte da sociedade africana, educando os jovens que são o futuro da África e contribuindo para construir sociedades marcadas pela honestidade, integridade e solidariedade", concluiu o Pontífice.Antes da internvenção do Papa, o Patriarca Ortodoxo Etíope fez um discurso, em que destacou que os líderes religiosos africanos não devem se preocupar unicamente com a atividade social, mas também dar resposta às grandes necessidades espirituais dos homens e mulheres daquele continente. "Não há que tratar separadamente apostolado e obras sociais. O apostolado é a raiz de uma atividade social efetiva e cheia de compaixão. A nossa Terra precisa ser nutrida com os ensinamentos dos seus pais religiosos e eu sinto-me obrigado, juntamente convosco, a traduzir em prática a nossa pregação."O patriarca recordou os sérios problemas que o continente africano enfrenta em todos os campos, para construir um verdadeiro desenvolvimento. Recordou ainda "o caos criado pelos extremistas religiosos" e por tantas forças negativas responsáveis por guerras e injustiças que não poupam as crianças e os mais indefesos. "Quereria apelar a todos os líderes religiosos para que atuem a favor da paz e para que protejam os recursos naturais que Deus nos deu, defendendo as crianças e adolescentes", pediu o patriarca.

Ele afirmou que tem esperança de que deste Sínodo saiam orientações e soluções éticas para o bem da África. "Temos que exercer a nossa peculiar responsabilidade como líderes religiosos e chefes de Igrejas, conhecendo e apoiando, quando é o caso, as sugestões que vêm dos nossos povos, ou, pelo contrário, para rejeitá-las quando estão em contradição com o respeito e com o amor pelo Homem, que se radicam no Evangelho".O Patriarca etíope foi o primeiro dos convidado que falarão no Sínodo. No próximo dia 9 é a vez de Rudolf Adada, antigo responsável pela força conjunta das Nações Unidas e da União Africana no Darfur, e no dia 12 será Jacques Diouf, diretor-geral da FAO.
Fonte: Canção Nova e Santa Sé

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Não é necessário coisas complicadas para chegar a Deus, diz Papa

"Deus não está longe, não é necessário fazer viagens espaciais ao céu ou coisas complicadas para chegar a Ele". A afirmação do Papa Bento XVI, foi feita esta manhã em seu discurso na II Assembléia Especial para a África do Sínodo dos Bispos. O Pontífice destacou que Deus habita em nossos corações. "As coisas da ciência e da técnica são caras e difíceis, mas para se chegar a Deus, não precisamos de grandes dons: é no coração, com a fé, com nossos lábios, na confissão, que Ele nos faz evangelizar e renovar o mundo".

Bento XVI improvisou algumas palavras, sublinhando a importância de nossa relação com Deus para corrigir os males e alcançar a verdade.



" A fé se transforma em caridade, existe unidade de razão e caridade: Por um lado, Deus é razão, mas não uma razão matemática, é fogo, é caridade. No desenvolvimento do mundo, temos esta 'escala' que ainda não concluiu. O homem deve divinizar-se. O desenvolvimento é alcançar esta última meta, onde Deus, que está conosco, quer nos ajudar a chegar".



Citando a parábola do Bom Samaritano, o Pontífice explicou que este percurso está aberto a todos. "Devemos abrir os confins entre tribos e religiões. Crer se torna amor e ação. Tenhamos a coragem deste Sínodo, porque Deus não está distante".



O Santo Padre destacou que as leituras do dia de hoje põem em evidência a presença do Espírito Santo na Igreja. O Papa recordou que os apóstolos, depois da ressurreição, não iniciaram imediatamente o processo de evangelização, mas esperaram o Espírito Santo para dar vida à Igreja nascente apostólica.



Ontem, 4, o Papa Bento XVI presidiu a missa de abertura do II Sínodo especial para a África.


Fonte: Canção Nova.

sábado, 3 de outubro de 2009

Bento XVI preside Missa de abertura do Sínodo da África

O Papa Bento XVI presidirá a Missa de abertura da II Assembléia Especial para a África do Sínodo dos Bispos, que se inicia neste domingo, 4, em Roma. Os trabalhos do Sínodo seguem até o dia 25 de outubro. O secretário-geral do Sínodo dos Bispos, Dom Nikola Eterović, disse na coletiva de imprensa desta sexta-feira, 2, no Vaticano, que se verificou na África um grande dinamismo nos últimos anos. De 1978 a 2007, "o número de católicos africanos passou de 55 milhões para cerca de 165 milhões". Dom Eterović frisou ainda, que este aumento se verificou também no campo vocacional. "Aumentam cada vez mais os sacerdotes, religiosos, missionários e leigos africanos engajados nas atividades pastorais das Igrejas locais e de outros continentes", ressaltando a importância da ação evangelizadora a serviço da promoção humana no continente africano. A missão da Igreja na África incluiu a promoção de atividades educacionais, "oferecendo uma formação integral, humana e cristã, para as novas gerações". Sínodo O Sínodo para a África foi proposto há cinco anos pelo então Papa João Paulo II. O tema da Assembleia é "A Igreja na África a serviço da reconciliação, da justiça e da paz. Vós sois o sal da terra... vós sois a luz do mundo" (Mt 5,13.14). Serão 244 os padres sinodais presentes no Sínodo, que irá refletir sobre a Igreja no continente africano. Entre as temáticas centrais estão a "a promoção humana é essencial no continente africano" e a "evangelização é o caminho para a sua concretização". Na escolha dos padres sinodais foi seguido o critério de ter a presença de pelo menos um bispo de cada um dos 53 países da África. A maioria dos padres sinodais, exatamente 197, são da África. Os outros 47 são provenientes dos outros continentes: 34 da Europa, 10 da América, 2 da Ásia e 1 da Oceânia. Convidados especiais O Papa Bento XVI estabeleceu ainda que participassem na Assembleia sinodal, além dos 25 Chefes dos Dicastérios da Cúria Romana, todos os cardeais africanos, que atualmente são 14 e os Presidentes das Conferência Episcopais. Além disso, participarão no encontro sinodal três convidados especiais: - Na terça-feira, 6, o Patriarca da Igreja Ortodoxa Tewahedo Etíope, Abuna Paulos, integra o Sínodo, dada a presença "ininterrupta" desta Igreja cristã na África; - Na sexta-feira, 9, o ex-Chefe da Joint United Nations/African Union Peacekeeping Mission para o Darfur, Rudolf Adada, vai falar sobre os esforços pela paz na região, "um tema de interesse mundial"; - Na segunda-feira, 12, falará aos Padres sinodais o Director-Geral da FAO, Sr. Jacques Diouf, para informar sobre os esforços da FAO destinados a garantir a segurança alimentar na África. Outras informações No diz respeito ao trabalho sinodal, estão previstas 20 Reuniões Gerais e 9 Sessões dos Grupos menores, divididos segundo as três línguas oficiais da Assembleia: o francês, a inglês e o português. Os Padres sinodais podem também falar italiano. Aos participantes juntam-se ainda 29 peritos (19 homens e 10 mulheres) e 49 auditores (29 homens e 20 mulheres), que vão “enriquecendo a reflexão com os seus testemunhos”. Somando com os assistentes, os tradutores, o pessoal técnico e, particularmente, os Oficiais da Secretaria Geral, cerca de 400 pessoas vão participar na Assembleia sinodal.
Fonte: Canção Nova e Agências

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Papa envia telegrama de pesar pelo terremoto na Indonésia

O Papa Bento XVI enviou esta sexta-feira, 2, um telegrama ao Núncio Apostólico na Indonésia, Dom Leopoldo Girelli, expressando sua proximidade espiritual à população atingida pelos recentes terremotos que abalaram o país. Assinado pelo Cardeal Secretário de Estado, Tarcísio Bertone, o telegrama informa que o Papa está profundamente triste e reza pelas vítimas e seus familiares, invocando o eterno repouso para os mortos e a força divina e consoladora para os feridos e aqueles que sofrem. O Santo Padre encoraja todos os que estão ajudando nos socorros, e os envolvidos nas operações de assistência emergencial às vítimas do desastre a perseverar em seus esforços de levar alívio, conforto e apoio.

Fonte: Canção Nova e Rádio Vaticano

Capela do século XVI será aberta ao público

Nesta sexta-feira, 2, será aberta, extraordinariamente a Capela Nicolina do Museus Vaticanos. A iniciativa faz parte do projeto de incentivo às visitas noturnas ao Museu.

O local, com aproximadamente 10 metros quadrados de área, era usado privadamente pelo Papa Nicolau V (1447-1455) e abriga alguns dos mais importantes afrescos do beato Fra Angélico e do pintor italiano Benozzo Gozzoli.

Na abertura, o diretor dos Museus Vaticanos, Antonio Paolucci, fará uma conferência sobre “O beato Angélico e o seu Papa”, no pátio da Pinacoteca e, em seguida, o público poderá visitar a Capela.

Desde julho, os Museus Vaticanos estão abrindo todas as sextas-feiras, de 19h às 23h locais, para visitas noturnas, que devem ser reservadas no site dos Museus Vaticanos. O passeio pode ser feito também com guias poliglotas, igualmente reservadas no site.

A iniciativa, como explicou a direção do Museu, quer favorecer os cidadãos romanos que trabalham durante o horário normal de abertura e, assim, não podem “apreciar as maravilhas das Galerias Superiores dos Museus Vaticanos, as Salas de Rafael e a Capela Sistina”.

O projeto iria terminar em outubro, mas o Vaticano adiantou que poderá ser prolongado.

Fonte: Canção nova e Rádio Vaticano

Página no facebook

Página no facebook
Curta nossa página no facebook, clique na imagem acima!