"Por isso, digo-vos: não tenhais medo de construir a vossa vida na Igreja e com a Igreja! Sede orgulhosos do amor a Pedro e à Igreja que lhe foi confiada. Não vos deixeis enganar por aqueles que desejam opor Cristo à Igreja! Só existe um rochedo sobre o qual vale a pena construir a própria casa. Esta rocha é Cristo. Só há uma pedra sobre a qual vale a pena fundamentar tudo. Esta pedra é aquele a quem Cristo disse: 'Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja' (Mt 16, 18)".

Papa Bento XVI.
Discurso durante o encontro com os jovens no parque de Błonia. Cracóvia, 27 de Maio de 2006.

Visite nosso canal no YouTube!

Visite nosso canal no YouTube!
Clique na imagem

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Papa aceita pedido de renúncia do Patriarca libanês

Bento XVI acedeu ao pedido de renúncia feito pelo cardeal libanês Nasrallah Pierre Sfeir, Patriarca de Antioquia dos Maronitas.

Segundo a Rádio Vaticano, o Papa enviou uma carta ao líder cessante da Igreja Católica no Líbano, onde elogia os seus 60 anos de sacerdócio, “prova de fidelidade e de amor a Jesus”, e os quase 50 anos de episcopado, num país tantas vezes marcado pela dificuldade.

“Começaste este nobre ministério de Patriarca de Antioquia dos maronitas no tumulto da guerra que ensanguentou o Libano durante demasiados anos” escreveu Bento XVI, para quem o cardeal Nasrallah Pierre Sfeir, munido de um “ardente desejo de paz”, tudo fez para guiar e confortar os seus fiéis, muitos deles forçados a emigrar.

“Finalmente” – conclui o Papa – “a paz voltou, sempre frágil, mas ainda presente”.

A Igreja Maronita é uma Igreja particular sui juris católica, do rito oriental, em plena comunhão com a Santa Sé, ou seja, que reconhece a autoridade do Papa, líder máximo da Igreja Católica.

O cardeal Nasrallah Pierre Sfeir, que no próximo dia 15 de Maio completa 91 anos, ocupava o cargo de Patriarca do Líbano desde Abril de 1986.

Fonte: Ecclesia

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

POLÍCIA PRENDE SUSPEITOS DE PLANEJAR ATAQUE CONTRA PAPA

A polícia da província italiana de Brescia prendeu seis marroquinos que supostamente planejavam um ataque contra o papa Bento XVI.

Os seis são integrantes do movimento fundamentalista islâmico marroquino Adl Wal Ihsane.

Na Itália, o grupo criou uma organização que tinha como objetivo difundir a discriminação, o ódio racial e religioso, assim como a violência e a "jihad", de acordo com as investigações, iniciadas há um ano.

A polícia informou que, no bolso da jaqueta de um dos marroquinos, foi encontrado um bloco de anotações, no qual havia descrições do Pontífice e informações sobre o que era discutido nas reuniões do grupo.

Segundo os agentes de segurança, é possível que o grupo planejasse um ataque contra Bento XVI, como forma de "puni-lo" pela conversão ao cristianismo do jornalista Magdi Allam.

Allam, que também é vice-diretor do periódico italiano "Corriere della Sera" e eurodeputado, tem origem egípcia e era muçulmano.
Rezemos pela saúde e pela proteção do Santo Padre!




Fonte: ANSA

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Lefebvristas dizem não à reconciliação com a Igreja

Bernard Fellay (foto), líder da Fraternidade São Pio X que reúne os seguidores do Arcebispo francês Marcel Lefebvre -que ordenou em 1988 quatro bispos sem permissão papal e que faleceu excomungado- assinalou que os diálogos de seu grupo com a Santa Sé estariam por "chegar ao fim" sem um acordo sobre sua reconciliação com a Igreja.

No último dia 2 de fevereiro em uma entrevista concedida aos membros nos Estados Unidos de sua fraternidade, Fellay, um dos quatro bispos ordenados pelo Lefebvre, disse que no diálogo com a Santa Sé não puderam convencer os representantes do Vaticano a fazer que a Igreja retorne ao estado anterior ao Concílio Vaticano II.

Fellay explicou que a Santa Sé assinalou-lhes que "existiam problemas doutrinais com a Fraternidade e que os mesmos deviam ser esclarecidos antes de um reconhecimento canônico" por parte da Igreja após o levantamento das excomunhões.

Os membros desta fraternidade não reconhecem o Concílio Vaticano II nem o Magistério dos Papas posteriores a Pio XII: João XXIII, Paulo VI, João Paulo I, João Paulo II e Bento XVI.

Entretanto os lefebvristas acolheram bem o documento Summorum Pontificum de 2007, com o qual o Papa Bento XVI promovia a Missa em latim, a única que eles admitem como válida.

Fellay disse ademais que o diálogo com a Santa Sé "trata-se de outra coisa: queremos expor a Roma o que a Igreja sempre ensinou, e com isso, assinalar as contradições existentes entre este ensinamento multisecular e o que acontece depois do Concílio. Da nossa parte, esse é o único objetivo que perseguimos".

Ao ser perguntado sobre se o Concílio lhe parece "um obstáculo insalvável", Fellay respondeu que "para nós, em todo caso, sim é".

Sobre os assuntos tratados nos diálogos com a Santa Sé assinalou que "posso dizer simplesmente que estamos chegando ao término, porque já repassamos os principais temas resultantes do Concílio".

Fellay também disse que se opõe à convocatória feita pelo Papa para rezar com líderes de outras religiões em outubro em Assis. Em sua opinião, o Papa Bento XVI parece querer complicar as coisas desnecessariamente com este assunto.

O Concílio Vaticano II, que congregou centenas de bispos de todo o mundo em diversas sessões entre 1962 e 1965 em Roma, é um dos acontecimentos eclesiásticos mais importantes da história contemporânea.

O histórico evento, presidido sucessivamente pelos Papas João XXIII e Paulo VI, produziu um corpo de doutrina que busca promover a fé católica no mundo, renovar a vida cristã dos fiéis, adaptar a liturgia e animar a presença ativa dos Leigos na vida da Igreja. O Concílio produziu 16 documentos, quatro constituições, nove decretos e três declarações conciliares.

Antecedentes

Em 21 de janeiro de 2009 o Papa Bento XVI decidiu levantar a excomunhão que pesava sobre os quatro bispos ordenados por Lefebvre em 1988: Bernard Fellay, Richard Williamson, Alfonso de Galarreta e Tissier de Mallerais.

No dia 4 de fevereiro de 2009, a Secretaria de Estado Vaticano indicou em um comunicado que os quatro bispos estão obrigados ao "pleno reconhecimento do Concílio Vaticano II" e do Magistério de todos os Papas posteriores a Pio XII.

O texto também solicitava a um destes quatro, o bispo Richard Williamson (que nega o holocausto dos judeus), que tome distância "publicamente e de modo totalmente inequívoco sobre suas posições quanto à Shoah, não conhecidas pelo Santo Padre no momento do levantamento da excomunhão".

A nota da Secretaria de Estado Vaticano explicava ademais que "o levantamento da excomunhão liberou os quatro bispos de uma pena canônica muito grave, mas não mudou a situação jurídica da Fraternidade São Pio X, que no momento atual, não goza de nenhum reconhecimento canônico na Igreja Católica".

"Além disso os quatro bispos, embora já não estejam excomungados, não têm uma função canônica na Igreja e não exercitam licitamente um ministério nela".


Fonte: PARIS, 24 Fev. 11 / 12:26 pm (ACI/EWTN Noticias)

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Bento XVI aceita renúncia de Bispo Auxiliar de Brasília

O Papa Bento XVI aceitou a renúncia do Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Brasília, Dom Francisco de Paula Victor, que apresentou seu pedido em função do limite de idade (75 anos), em conformidade com os cânones 411 e 401, parágrafo 1, do Código de Direito Canônico.

Dom Francisco é natural de Paraisópolis (MG) e, além dos estudos eclesiásticos, também é formado em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Foi ordenado sacerdote em 1990 e, em 1996, nomeado bispo auxiliar de Brasília, recebendo a sagração episcopal em 26 de outubro do mesmo ano.



Fonte: Canção Nova

Aumenta o número de Padres, Bispos, Seminaristas e Católicos no mundo.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Vaticano divulga detalhes sobre a beatificação de João Paulo II

O Escritório de Imprensa da Santa Sé divulgou hoje um comunicado no qual detalha os cinco momentos nos quais se desenvolverá a beatificação do Papa João Paulo II o próximo 1º de maio em Roma, e reiterou que para assistir não é necessário adquirir entrada alguma.

O texto assinala que o primeiro momento é a vigília de preparação no dia 30 de abril a ser realizada a partir das 8:30 p.m. (hora local) no Circo Máximo de Roma.

Esta vigília será presidida pelo Cardeal Agostino Vallini, Vigário do Santo Padre para a diocese de Roma. Ao evento, "o Papa Bento XVI se unirá a espiritualmente por meio de uma conexão em vídeo".

O segundo momento é a cerimônia de beatificação que se será celebrada no domingo 1º de maio na Praça de São Pedro em Roma, e vai ser presidida pelo Papa Bento XVI.

O comunicado reitera o já anunciado em distintas oportunidades sobre o fato que "para participar não é preciso entradas, mas os agentes de Segurança Pública cuidarão do acesso à praça e às zonas adjacentes".

Nesta linha, a Prefeitura da Casa Pontifícia deu ao conhecimento público outro comunicado no qual ratifica que para a beatificação e para as audiências com o Papa não é necessário adquirir entradas.

Esta precisão é feita ante "o oferecimento indevido, sobre tudo por Internet, de assistência e venda de bilhetes para audiências e cerimônias pontifícias, em particular a beatificação do Servo de Deus João Paulo II".

Este comunicado precisa ademais que quando a Prefeitura da Casa Pontifícia entrega entradas para cerimônias pontifícias ou audiências gerais, estes "são sempre gratuitos e nenhuma pessoa física ou entidade pode pretender pagamento algum".

Sobre o terceiro momento da beatificação, o comunicado do Escritório de Imprensa da Santa Sé indica que todos os fiéis "poderão venerar os restos do novo Beato no próprio domingo 1º de maio, uma vez que termine a cerimônia de beatificação. Os restos ficarão expostos até que se esgote o fluxo de fiéis que desejem venerá-los, diante do altar da Confissão".

O quarto momento é a Missa de ação de graças pela beatificação, que está programada para a segunda-feira 2 de maio às 10:30 a.m. na Praça de São Pedro. Esta Eucaristia será presidida pelo Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de estado Vaticano.

O quinto momento se relaciona com a sepultura dos restos de João Paulo II. Esta será realizada na Basílica de São Pedro, na Capela de São Sebastião e se realizará de forma privada.



Fonte ACI

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Rússia e Vaticano colaborão para uma cooperação em encontro do papa com Medvedev


Está é a segunda vez que o presidente russo, Dimitri Medvedev visita a Bento XVI. Um encontro que o Papa chamou de "muito importante", quando recebeu o presidente na porta de sua biblioteca.

Eles conversaram sozinhos por cerca de 35 minutos, mais do que o habitual nas visitas de Estado. Reconhecida a parceria na promoção dos valores humanos e cristãos e a importância do diálogo inter-religioso. Eles também trocaram opiniões sobre a situação no Oriente Médio.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

"20 passos para a paz interior - com Deus, consigo e com o próximo"

Papa nomeia três novos bispos para o Brasil

O Papa Bento XVI nomeou, nesta quarta-feira, 16, três novos bispos para o Brasil. Aceitando a renúncia do Bispo da Diocese de Caratinga (MG), Dom Hélio Gonçalves Heleno, por motivo de idade, o Papa nomeou para sucedê-lo o Bispo de Guanhães (MG), Dom Emanuel Messias.
O Santo Padre nomeou ainda, a pedido do Bispo do Ordinariado Militar do Brasil, Dom Osvino José Both, o monsenhor José Francisco Falcão de Barros, como Bispo Auxiliar do Ordinariato. Atualmente, padre José Francisco é pároco da Paróquia São Vicente de Paulo, em Palmeira dos Índios e Capelão da Polícia Militar do Estado de Alagoas.

Já a Arquidiocese de Belém do Pará também receberá um novo bispo auxiliar. Monsenhor Teodoro Mendes Tavares, que exercia seu trabalho em Central Falls, nos Estados Unidos, fará parte do episcipado da arquidiocese.

Veja os históricos dos nomeados

Dom Emanuel Messias
Natural de Salinas (MG), Dom Emanuel Messias foi ordenado bispo em 4 de abril de 1998, em Governador Valadares (MG), onde trabalhou até ser nomeado Bispo de Guanhães. Estudou Filosofia em Mariana (MG) e Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma. Além disso, é especialista nas Sagradas Escrituras, pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma.

Como bispo, é responsável pela Dimensão Bíblico-catequética do Regional Leste 2 da CNBB (Espírito Santo e Minas Gerais).

Monsenhor José Francisco Falcão
Paróco da Paróquia de São Vicente de Paulo (AL) desde 1993, monsenhor José Francisco Falcão de Barros nasceu em 24 de março de 1965, em Paulo Jacinto (AL) e se formou em Filosofia e Teologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (RJ). Tem Mestrado em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino, em Roma, Itália, e é doutor em Direto Canônico pela Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino, também em Roma, Itália. É membro do Conselho Presbiteral, do Colégio dos consultores e Capelão da Polícia Militar do Estado de Alagoas.

Monsenhor Teodoro Mendes
O novo bispo auxiliar de Belém do Pará, monsenhor Teodoro Mendes Tavares, nasceu na Ilha de Santiago, Cabo Verde, no dia 7 de janeiro de 1964. Foi ordenado presbítero em 11 de julho de 1993. Chegou ao Brasil em 1994 para exercer a “Missão Amazônia” e, em 2003, se tornou Superior dos Missionários Espiritanos na Amazônia. Integrante da Congregação do Espírito Santo (CSSp), atualmente, exerce seu ministério em Central Falls, nos Estados Unidos da América.



Fonte: Canção Nova e CNBB

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Vaticano anuncia três novas canonizações

O sacerdote italiano Luigi Guanella(primeira foto), o fundador dos missionários xaverianos Guido Maria Conforti(segunda foto) e a religiosa espanhola Bonifacia Rodríguez de Castro(terceira foto) serão proclamados santos em breve, segundo anunciou hoje o Vaticano.

Em 21 de fevereiro, será realizado um consistório ordinário público, que decidirá as datas para as canonizações.

Guanella, beatificado em 1964, nasceu em Fraciscio di Campodolcino, na região de Lombardia, norte da Itália, no ano de 1842. Aos 24 anos de idade, foi ordenado sacerdote.

Em 1881, fundou os Servos da Caridade e as Filhas de Santa Maria da Providência, que logo se difundiram na Itália, América, Ásia e África. Por sua vez, Guido Maria Conforti nasceu em 1865, em Parma, no norte da Itália, mas por problemas de saúde não pode dirigir os negócios agrícolas da família, como queria seu pai, nem empreender uma vida como missionário.

Diante disso, abriu uma casa para formar jovens missionários e fundou a Pia Sociedade Xaveriana.

Em 1902, Conforti tornou-se arcebispo de Ravenna, posto que deixou dois anos depois pelo agravamento de seu estado de saúde. Quando seu quadro sofreu melhora, o Papa Pio X o enviou como bispo a Parma.

Dirigiu a diocese, da qual já havia sido vigário geral durante 25 anos, realizando cinco visitas pastorais as suas 300 paróquias. Conforti morreu em 1937 e foi beatificado em 1966.

Já Bonifácia Rodríguez Castro, que nasceu em 1837 em Salamanca, é uma das fundadora da Congregação das Servas de São José.



Fonte: ANSA

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Kubica receberá gota de sangue do Papa João Paulo II


Em recuperação após um grave acidente no Rondi di Andorra, rali disputado na Itália, no último domingo, o piloto da Lotus Renault Robert Kubica receberá um relicário com uma gota de sangue do Papa João Paulo II. O presente é do cardeal Stanislaw Dziwisz.

Arcebispo da Cracóvia, Dziwisz enviará uma amostra do sangue sagrado do Papa, morto em 2005, para auxiliar na recuperação do piloto. "João Paulo II praticava esporte, gostava dos esportistas e dos jovens", comentou o cardeal.

Ao chegar no hospital, logo após ser socorrido do acidente, Kubica possuía apenas 1 litro de sangue no corpo e quase não resistiu, segundo seu empresário Daniele Morelli revelou nesta sexta-feira.

Ainda hoje, o polonês deve passar por mais cirurgias nos pés e nas mãos e seguir em observação no Hospital Santa Corona, na região da cidade italiana de Gênova.



Fonte: superesportes.com.br

Infalibilidade papal

A infalibilidade papal é o dogma da teologia católica, a que afirma que o Papa em comunhão com o Sagrado Magistério, quando delibera e define (clarifica) solenemente algo em matéria de fé ou moral (os costumes), ex cathedra, está sempre correcto. Isto porque acredita-se que, na clarificação solene e definitiva destas matérias, o Papa goza de assistência sobrenatural do Espírito Santo, que o preserva de todo o erro.

O uso da infalibilidade é restrito somente às questões e verdades relativas à fé e à moral (costumes), que são divinamente reveladas ou que estão em íntima conexão com a Revelação divina. Uma vez proclamadas e definidas solenemente, estas matérias de fé e de moral transformam-se em dogmas, ou seja, em verdades imutáveis e infalíveis que qualquer católico deve aderir, aceitar e acreditar de uma maneira irrevogável. Logo, a consequência da infalibilidade é que a definição ex catedra dos Papas não pode ser revogada e é por si mesma irreformável.

As declarações de um Papa em ex cathedra não devem ser confundidas com ensinamentos que são falíveis, como uma bula. A infalibilidade papal foi longamente discutida e ensinada como doutrina católica, tendo sido declarada um dogma na Constituição Dogmática Pastor Aeternus, sobre o primado e infalibilidade do Papa, promulgada pelo Concílio Vaticano I. A Constituição foi promulgada na Quarta Sessão do Concílio, em 18 de julho de 1870, pelo Papa Pio IX (foto esquerda).

A parte dispositiva do documento tem o seguinte teor:

"O Romano Pontífice, quando fala "ex cathedra", isto é, quando no exercício de seu ofício de pastor e mestre de todos os cristãos, em virtude de sua suprema autoridade apostólica, define uma doutrina de fé ou costumes que deve ser sustentada por toda a Igreja, possui, pela assistência divina que lhe foi prometida no bem-aventurado Pedro, aquela infalibilidade da qual o divino Redentor quis que gozasse a sua Igreja na definição da doutrina de fé e costumes. Por isto, ditas definições do Romano Pontífice são em si mesmas, e não pelo consentimento da Igreja, irreformáveis."

Além do Papa, quando ele fala ex cathedra, goza também de infalibilidade o episcopado católico pleno, em união com o Papa, que é a cabeça do episcopado, mas só quando reunido em concílio ecuménico; ou quando, disperso em toda a Terra, o episcopado ensina e promove uma verdade de fé ou de costumes professada e sustentada já por toda a Igreja Católica.

A Igreja Católica acredita no dogma da infalibilidade papal porque ela, governada pelo Papa em união com os seus Bispos, professa que ela é o autêntico "sacramento de Jesus Cristo, a Verdade em pessoa e Aquele que veio trazer as verdades fun­da­mentais" à humanidade para a sua salvação. A Igreja Católica acredita também que este dogma é o "efeito concreto" da "promessa de Cristo de preservar a sua Igreja na verdade".


(O Espírito Santo desce sobre o Papa Gregório I,
por Carlo Saraceni, pintura de 1610, Roma).
Fonte:Wikipédia

Dia de Nossa Senhora de Lourdes


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

PAPA PEDE INCENTIVO A VOCAÇÕES RELIGIOSAS E SACERDOTAIS

O papa Bento XVI ressaltou hoje a importância de incentivar pessoas a seguir o "chamado à vida sacerdotal".

De acordo com o Pontífice, é necessário formar sacerdotes porque "os homens terão sempre a necessidade de Deus, mesmo na época do domínio técnico do mundo e da globalização".

"Especialmente nessa nossa época, na qual a voz do Senhor parece sufocada por outras vozes, e a proposta de segui-lo doando a própria vida parece muito difícil, toda comunidade cristã, todo fiel, deve assumir, com sensibilidade, a tarefa de promover as vocações", disse o Papa, em sua mensagem para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações, celebrado em 15 de maio.

"É importante encorajar e sustentar quem mostra claros sinais ao chamado à vida sacerdotal e à consagração religiosa, porque sentem o calor de toda a comunidade ao dizer 'sim' a Deus e à Igreja", explicou Bento XVI no texto, divulgado pela Santa Sé e pela Rádio Vaticana nesta quinta-feira.


Fonte: ANSA

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Papa pede orações para o respeito às famílias

Secretário de Bento XVI explica que o Papa não pode doar seus órgãos

O secretário pessoal do Papa Bento XVI, Mons. Georg Gaenswein, explicou que embora o Santo Padre promova a doação de órgãos, os seus não estão disponíveis para este processo porque pertencem à Igreja desde sua eleição à Sede de Pedro.

Assim o indicou ante o debate gerado na Alemanha sobre se o Papa é ou não um doador de órgãos, como o indicava em um documento que o descreve como tal.

Em uma mensagem com data de 5 de fevereiro, Mons. Gaenswein explicou que antes de sua eleição como sucessor do João Paulo II, o Papa era um potencial doador desde os anos 70. Mas, assinalou, o cartão de doação ficou "obsoleto" quando o então Cardeal Ratzinger foi eleito Papa.

Por sua parte, o Presidente do Pontifício Conselho para a Pastoral dos Agentes Sanitários (Saúde), Arcebispo Zygmunt Zimowski, disse ao jornal italiano La Repubblica que o corpo do Papa deve permanecer intacto "porque pertence à Igreja e para a Igreja, em corpo e alma".

Entretanto, precisou, "isto não muda em nada a validez da beleza da doação de órgãos".

Em novembro de 2008 o Papa Bento XVI se dirigiu aos participantes em um congresso sobre transplantes organizado pela Pontifícia Academia para a Vida. Nessa ocasião expressou que a doação de órgãos "é um ato de amor que testemunha de maneira genuína a caridade que olha além da morte para que a vida sempre triunfe".


Fonte: AciDigital

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

domingo, 6 de fevereiro de 2011

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Arquidiocese do Rio de Janeiro ganha três novos bispos auxiliares

Monsenhor Pedro Cunha Cruz
Monsenhor Nelson Francelino Ferreira
Monsenhor Paulo Cezar Costa

Ninguém vai bater no meu povo, não!

Bento XVI ordena cinco bispos, entre eles um chinês

O Papa Bento XVI ordenou neste sábado cinco novos bispos na basílica de São Pedro, entre eles o chinês que havia sido nomeado por ele em dezembro número dois da Congregação pela Evangelização dos Povos.

O padre Savio Hon Tai-Fai, um teólogo de Hong Kong, foi nomeado no dia 23 de dezembro para o posto de secretário da Congregação pela Evangelização dos Povos, o posto mais elevado que um chinês já ocupou na Cúria Romana. Ele foi ordenado arcebispo titular de Sila.

Esse religioso salesiano, de 60 anos, professor do seminário de Hong Kong, é membro da Comissão Teológica Internacional desde 2004. Nascido no dia 21 de outubro de 1950 em Hong Kong, ele foi encarregado da tradução em chinês do Catecismo da Igreja Católica (CEC), um trabalho acompanhado pelo cardeal Joseph Ratzinger, na época prefeito da Congregação pela Doutrina da Fé.


Os católicos chineses são estimados em 5,7 milhões, segundo números oficiais. Eles se dividem entre a Igreja oficial, cujo clero depende das autoridades políticas, e uma Igreja não reconhecida, dita "soberana", que tira sua legitimidade da obediência ao papa.

Além do arcebispo chinês, foram ordenados: Marcello Bartolucci, secretário da Congregação pela Causa dos Santos, arcebispo titular de Bevagna; Celso Morga Iruzubieta, secretário da Congregação pelo Clero, arcebispo titular de Alba Marittima; Antonio Guido Filipazzi, núncio apostólico, arcebispo titular de Telepte, sendo este o mais jovem núncio da diplomacia vaticana com 48 anos.

Fonte: AFP

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Dia 03 de Fevereiro, dia de São Brás

O santo de hoje nasceu na cidade de Sebaste, Armênia, no final do século III. São Brás, primeiramente, foi médico, mas entrou numa crise, não profissional, pois era bom médico e prestava um ótimo serviço à sociedade. Mas nenhuma profissão, por melhor que seja, consegue ocupar aquele lugar que é somente de Deus. Então, providencialmente, porque ele ia se abrindo e buscando a Deus, foi evangelizado. Não se sabe se já era batizado ou pediu a graça do Santo Batismo, mas a sua vida sofreu uma guinada. Esta mudança não foi somente no âmbito da religião, sua busca por Nosso Senhor Jesus Cristo estava ligada ao seu profissional e muitas pessoas começaram a ser evangelizadas através da busca de santidade daquele médico.

Numa outra etapa de sua vida, ele discerniu que precisava se retirar. Para ele, o retiro era permanecer no Monte Argeu, na penitência, na oração, na intercessão para que muitos encontrassem a verdadeira felicidade como ele a encontrou em Cristo e na Igreja. Mas, na verdade, o Senhor o estava preparando, porque, ao falecer o bispo de Sebaste, o povo, conhecendo a fama do santo eremita, foi buscá-lo para ser pastor. Ele, que vivia naquela constante renúncia, aceitou ser ordenado padre e depois bispo; não por gosto dele, mas por obediência.

Sucessor dos apóstolos e fiel à Igreja, era um homem corajoso, de oração e pastor das almas, pois cuidava dos fiéis na sua totalidade. Evangelizava com o seu testemunho.

São Brás viveu num tempo em que a Igreja foi duramente perseguida pelo imperador do Oriente, Licínio, que era cunhado do imperador do Ocidente, Constantino. Por motivos políticos e por ódio, Licínio começou a perseguir os cristãos, porque sabia que Constantino era a favor do Cristianismo. O prefeito de Sebaste, dentro deste contexto e querendo agradar ao imperador, por saber da fama de santidade do bispo São Brás, enviou os soldados para o Monte Argeu, lugar que esse grande santo fez sua casa episcopal. Dali, ele governava a Igreja, embora não ficasse apenas naquele local.

São Brás foi preso e sofreu muitas chantagens para que renunciasse à fé. Mas por amor a Cristo e à Igreja, preferiu renunciar à própria vida. Em 316, foi degolado.

Conta a história que, ao se dirigir para o martírio, uma mãe apresentou-lhe uma criança de colo que estava morrendo engasgada por causa de uma espinha de peixe na garganta. Ele parou, olhou para o céu, orou e Nosso Senhor curou aquela criança.

Peçamos a intercessão do santo de hoje para que a nossa mente, a nossa garganta, o nosso coração, nossa vocação e a nossa profissão possam comunicar esse Deus, que é amor.

São Brás, rogai por nós!

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Criança quebra protocolo durante audiência e ganha bênção do papa

Criança foi recebida pelo pontífice com um sorriso durante cerimônia nesta quarta-feira.

Vaticano - Um brasileiro de 6 anos quebrou o protocolo durante a cerimônia realizada na Cidade do Vaticano, nesta quarta-feira, e recebeu em troca um sorriso do papa Bento XVI. A criança, segundo testemunhas, se apresentou diante do pontífice quando eram anunciadas as delegações de peregrinos de língua portuguesa presentes na sala Paulo VI.

Antes de lhe dar a benção, Bento XVI ainda trocou algumas palavras com o menino. A cena provocou risos e aplausos dos peregrinos, que viram quando o monsenhor Georg Gaenswein, secretário do papa, percebeu a movimentação e, com um gesto discreto para as forças de segurança, permitiu que ele fosse até Bento XVI. Cerca de três mil pessoas participavam da audiência semanal.


Fotos:

Fonte: DN Globo/Portal Terra/G1

Papa nomeia Rosalvo Cordeiro Lima bispo auxiliar de Fortaleza

O Papa Bento XVI nomeou nesta quarta-feira o sacerdote Rosalvo Cordeiro de Lima, 48 anos, bispo auxiliar de Fortaleza, no Ceará, informou o Vaticano. Rosalvo era pároco de São José, em Salesópolis, Estado de São Paulo, desde 1997.

Lima nasceu em 1962 em União dos Palmares, em Alagoas, estudou Filosofia no seminário Sagrado Coração de Jesus, em Mogi das Cruzes, e teologia na Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo. Foi ordenado sacerdote em 1992, em Arujá, diocese de Mogi das Cruzes, e prestou serviços como vigário na paróquia da diocese.

Fonte: Agência EFE

Página no facebook

Página no facebook
Curta nossa página no facebook, clique na imagem acima!