"Por isso, digo-vos: não tenhais medo de construir a vossa vida na Igreja e com a Igreja! Sede orgulhosos do amor a Pedro e à Igreja que lhe foi confiada. Não vos deixeis enganar por aqueles que desejam opor Cristo à Igreja! Só existe um rochedo sobre o qual vale a pena construir a própria casa. Esta rocha é Cristo. Só há uma pedra sobre a qual vale a pena fundamentar tudo. Esta pedra é aquele a quem Cristo disse: 'Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja' (Mt 16, 18)".

Papa Bento XVI.
Discurso durante o encontro com os jovens no parque de Błonia. Cracóvia, 27 de Maio de 2006.

Visite nosso canal no YouTube!

Visite nosso canal no YouTube!
Clique na imagem

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O ABC da cruzada pelo amor

1. Respeite a todos - Cristo mora em todos. Seja sensível para com os outros - eles são seus irmãos e irmãs.

2. Pense bem de todos - não pense mal de ninguém. Tente encontrar algo de bom mesmo nas piores circunstâncias.

3. Fale sempre bem dos outros - não fale mal de ninguém. Repare qualquer problema resultante de uma palavra pronunciada. Não provoque tensões entre pessoas.

4. Fale com todos na linguagem do amor. Não levante a voz. Não blasfeme. Não provoque lágrimas. Tranquilize os outros. Demonstre um coração bondoso.

5. Perdoe tudo a todos. Não guarde rancor. Seja sempre o primeiro a estender a mão em sinal de reconciliação.

6. Aja sempre para o bem de seu vizinho. Faça bem aos outros como gostaria que fizessem a si. Nunca pense sobre o que os outros lhe devem mas sim sobre o que você deve a eles.

7. Demonstre compaixão em tempos de sofrimento. Seja rápido a oferecer consolo, assistência e bondade.

8. Trabalhe com consciência - outros beneficiam do seu trabalho como você beneficia do trabalho dos outros.

9. Seja ativo na sua comunicação. Estenda a mão aos pobres e aos doentes. Partilhe os seus bens. Tente ver as necessidades dos outros ao seu redor.

10. Reze por todos, mesmo por seus inimigos.
Cardeal Stefan Wyszynki
(1900 - 1981)

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Famoso pastor pentecostal e sua esposa se tornam católicos

pastor protestante sueco Ulf Ekman e sua esposa Birgitta anunciaram que, na próxima Páscoa, eles se converterão à Igreja Católica. O anúncio, que causou grande surpresa e comoção em muitos, foi feito há alguns dias, durante um sermão na congregação pentecostal que fundaram há 30 anos.

A fama de Ekman também se espalhou devido aos seus livros, traduzidos a 60 idiomas, a um programa de televisão, uma escola bíblica fundada por ele, sua comunidade “Palavra de Vida” (com mais de 3 mil membros, 12 pastores e uma escola com mil alunos).

O “processo” de Ekman leva cerca de 10 anos, durante os quais ele pesquisou com atenção o Catecismo da Igreja Católica e sua doutrina social, e teve contato com líderes da Renovação Carismática Católica, que o marcaram pelo seu testemunho. “Percebemos que nossos preconceitos protestantes não tinham base alguma, em muitos casos”, afirmou.

Uma das reflexões que mais o atraíram à Igreja Católica foi a da unidade do Corpo de Cristo.
“Acreditar na unidade [dos cristãos] tem consequências práticas, disse. Seus argumentos neste campo foram expostos na revista “Varlden Idag”, em uma entrevista: “Não entendo que se diga que não precisamos de um magistério. Se temos 5 versículos da Bíblia e 18 comentários sobre estas escrituras, quem decidirá? Meu intelecto é melhor que o seu, eu li mais, posso convencer melhor que você… ou existe um magistério que orienta sobre como julgar o assunto.

Do Papa, ele disse que é a máxima expressão de um magistério, e que ele acredita “na necessidade de uma autoridade definitiva”.

Para continuar tratando do tema da unidade, o pastor citou João 11, 52: “Sim, Jesus não ia morrer somente pelo povo, mas também para reunir os filhos dispersos de Deus”.

“Jesus morreu por isso – comentou. Acho que está muito forte no coração de Deus o desejo de que nos unamos.” Esta unidade não pode ser meramente relacional, pois “a Igreja é o Corpo de Cristo, uma entidade estruturada. É concreta, não uma nuvem de gás. O Corpo é visível. O modelo é Jesus, que teve um corpo visível durante 30 anos.”

Um antecedente de cunho místico
Ekman era um jovem estudante na década de 70 quando, sentado em um restaurante, sentiu as lágrimas escorrerem e não conseguiu evitar o choro. “Tive uma experiência instantânea de como Jesus sofre porque sua Igreja está dividida. Foi como um relâmpago. Senti: ‘Isso não é do agrado de Deus’. Jesus chorava por isso. Eu o senti naquele restaurante, na hora do almoço. Depois isso desapareceu da minha memória. Mas voltou a surgir nos últimos 10 anos”, recordou.

Mas o tema da unidade não é o único. Ao anunciar sua entrada á Igreja Católica, ele recordou algumas das suas razões.

“Vimos [na Igreja Católica] um grande amor por Jesus e uma teologia sã, fundada na Bíblia e no dogma clássico. Vivenciamos a riqueza da vida sacramental. Vimos a lógica de ter uma estrutura sólida no sacerdócio, que mantém a fé da Igreja e que a transmite à geração seguinte. Encontramos uma força ética e moral e uma coerência que pode enfrentar a opinião geral, e uma tendência bondosa com relação aos pobres e fracos. Finalmente, mas não menos importante, tivemos contato com representantes de milhões de católicos carismáticos e vimos sua fé viva.”

Em seu processo, Ekman destaca também o papel de dois religiosos: Dom Anders Arborius, único bispo católico da Suécia, e o padre carmelita Wilfrid Stinissen, reconhecido escritor.
A partir de agora, ele será um “simples católico”. Isso entre aspas, pois certamente a Igreja o convidará a usar seus dons para a missão. “Nós nos sentimos um pouco como Abraão e Sara: dois idosos entrando em um país desconhecido”, acrescentou.

Mas eles têm a certeza do auxílio de Deus.

Fonte: AICA

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

11 DE AGOSTO - ANIVERSÁRIO NATALÍCIO DE DOM PEDRO ANTÔNIO MARCHETTI FEDALTO, ARCEBISPO EMÉRITO DE CURITIBA. 88 anos de vida!

Lema: VERITATEM IN CARITATE
A verdade na Caridade
Dom Pedro Antônio Marchetti Fedalto
De nacionalidade brasileira e descendência italiana, Dom Pedro Fedalto nasceu no dia 11 de agosto de 1926 na Colônia Antônio Rebouças - Município de Campo Largo/PR.

Foi ordenado sacerdote em 6 de dezembro de 1953 e sua sagração episcopal ocorreu em 28 de agosto de 1966. Foi bispo auxiliar da Arquidiocese de Curitiba de 1966 a 1970 e administrador apostólico diocesano no ano de 1970 (após a morte de D. Manuel da Silveira), sendo empossado como arcebispo no dia 28 de fevereiro de 1971.


Seu lema "A verdade na caridade" foi marca registrada de seu serviço durante os 30 anos em que serviu a Arquidiocese e a CNBB do Paraná como presidente por 28 anos. Para melhor evangelizar, descentralizou a Arquidiocese em quatro grandes áreas pastorais, divididas em 18 setores, contando 3 áreas aos bispos auxiliares e reservando para si o centro da Arquidiocese.

Planos de Pastoral: deu continuidade aos planos de pastoral iniciados em 1968, publicando em 1972 o Diretório Pastoral, em 1975, o Manual do Agente de Pastoral e em 1980 a Carta Pastoral sobre a Evangelização dos Fiéis na fé e no compromisso.

Criou e incentivou novas pastorais, como a Pastoral da Comunicação, Pastoral Familiar, Pastoral da Criança, Pastoral do Menor, Pastoral da Juventude, Pastoral Universitária, Pastoral Operária, Pastoral Carcerária, Pastoral das Favelas, Pastoral Litúrgica, Pastoral do Idoso, Pastoral do Deficiente, entre outras.


Acolheu movimentos, como: Movimento Diálogo, dos Focolares, Renovação Carismática- Neo-Catecumenato, Movimento de Irmãos, Emaús, Movimento Serra, Movimento de Schoenstatt, do Rosário Perpétuo, do Ecumenismo, Oficinas de Oração e Vida, Curso Intensivo e Vivência Cristã (ECC) - Encontro de Casais com Cristo, TLC - Treinamento de Lideranças Cristã, MAD - Mensageiras do Amor Divino, entre outros.

Acolheu organismos, como: Assintec- Associação Interconfissional de Ensino Religioso, a Comunidade Vida Nova, as CEBs - Comunidades Eclesiais de Base; o Cenplafam - Centro de Planejamento Familiar Natural; a CPT - Comissão Pastoral da Terra, o Instituto Nacional da Família e a Arsen- Associação dos Reitores de Seminários Maiores.

Dom Pedro criou 74 novas paróquias, ordenou 82 padres diocesanos, acolheu congregações femininas e masculinas. Em seu pastoreio abriam-se 20 casas para a formação de leigos; criou em 1975 o ICE- Instituto de Cultura Eclesial para a formação de lideranças pastorais. Foram constituídas 47 novas igrejas e adquiridos cerca de mil terrenos para a construção de novas igrejas e capelas; conseguiu a concessão de abertura da Rádio Clube.

Outros destaques de seu episcopado:

- A realização das Santas Missões Populares em 1975 e 2000, a vinda do Papa João Paulo II à Curitiba nos dias 5 e 6 de junho de 1980

- A realização do Congresso Eucarístico Arquidiocesano pelos 50 anos da Igreja da Ordem como templo de adoração perpétua e na preparação do 14º Congresso Eucarístico Nacional.

Após completar 75 anos de idade, Dom Pedro Fedalto escreveu uma carta à Santa Sé solicitando o seu afastamento do cargo de arcebispo metropolitano de Curitiba. O pedido foi aceito em 15 de maio de 2004, quando foi nomeado o novo arcebispo, Dom Moacyr José Vitti.

sábado, 2 de agosto de 2014

"Templo de Salomão" inaugurado em São Paulo, Dom Henrique Soares esclarece aos católicos

Só para esclarecer aos católicos, a respeito desse "templo de Salomão" inaugurado em São Paulo, mais uma farsa religiosa do nosso tempo e mais uma punhalada no cristianismo, já tão deturpado pelas seitas...
1. Não existe nem poderá existir "Templo de Salomão" algum desde 587 aC, quando o Templo do Senhor, construído pelo Rei Salomão, foi incendiado pelos babilônios. Este era o chamado Primeiro Templo dos judeus.
2. Nem mesmo no tempo de Jesus havia um "Templo de Salomão". Havia sim, o Segundo Templo, construído pelos judeus que voltaram do Exílio de Babilônia entre 537-515 aC. Foi nesse Templo, reformado, ampliado e embelezado por Herodes Magno, que Jesus nosso Senhor pregou. Foi sobre esse Templo que Ele afirmou tratar-se de uma imagem Dele próprio, morto e ressuscitado: "Destruí este Templo e em três dias Eu o edificarei!".
3. O Templo de Salomão em si não tem significado algum para o cristianismo. Também não pode ser reconstruído, pois já não seria o Templo "de Salomão", mas de outra qualquer pessoa! O que se construiu em São Paulo foi um "Edifício do Edir Macedo", nem mais nem menos...
4. Quanto ao Templo dos judeus, somente pode ser construído sobre o Monte do Templo, chamado Monte Moriá, em Jerusalém. Os judeus nunca reconstruíram o seu Templo por isso: porque ali já estão erguidas duas mesquitas muçulmanas...
5. Os cristãos jamais poderão ou deverão reconstruir Templo judaico algum! Isto é negar Nosso Senhor Jesus Cristo, é voltar ao Antigo Testamento! O Segundo Templo era imagem do Corpo do Senhor. Ele mesmo o declarou. Aqui coloco de modo explicado o que Jesus quis dizer: "Vós estais destruindo este Templo! Podeis destruí-lo; ele já cumpriu sua função de figura, de lugar de encontro de Deus com os homens! O verdadeiro Templo é Meu corpo imolado e ressuscitado! Vós destruireis o Meu corpo como estais destruindo este Templo! Mas, dentro de três dias Eu o ressuscitarei, edificando o verdadeiro Templo, lugar de encontro entre Deus e o homem: o Meu corpo, que é a Igreja!"
6. Arca, sacrifícios antigos, utensílios do antigo Templo, já não têm sentido algum no cristianismo. Mais ainda: não passam de pura e vazia falsificação que ofendem a resta consciência cristã e desrespeitam os judeus, imitando de modo grosseiro e falseando de modo superficial o real significado dos seus símbolos religiosos.
Conclusão: É uma pena ver como o charlatanismo, a ignorância, o grotesco prosperam em certas expressões heterodoxas de cristianismo... E tudo por conta do tripudio sobre a ignorância e falta de bom senso de toda uma população insensata. Só isto.
Dom Henrique Soares da Costa
Fonte: http://evangelizarr.blogspot.com.br

Página no facebook

Página no facebook
Curta nossa página no facebook, clique na imagem acima!